29 de Outubro de 2018
E-commerce

9 coisas que você deve pensar antes de abrir um e-commerce

Está pensando em abrir um e-commerce? Em tempos de crise, esta parece ser uma atitude promissora

Segundo dados da E-commerce News, em 2017 o crescimento do e-commerce foi de 12% em relação a 2016. Acredita-se, segundo a publicação, que em 2018 cheguemos a 15%. Dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico, a Abracom, indicam que o faturamento foi de 59,9 bilhões de reais. O estudo faz uma ligação direta entre o aumento das vendas online e o crescimento das pesquisas no Google. Se você está pensando em abrir um e-commerce ou migrar seu atual negócio para uma loja virtual, aqui vão dicas dos especialistas.

1. Escolha a plataforma certa, pensando no momento do seu negócio

As plataformas mais conhecidas são as SaaS (Software as a Service), mais simples e com custos menores. Funcionam para lojas virtuais que não precisam de personalização. Mais completas, há as do tipo Open Source, que disponibilizam mais recursos de integração e planejamento de produtos. “Há plataformas mais simples, que podem funcionar em um primeiro momento. Mas é fundamental planejar como será o crescimento”, afirma Hugo Rosso, professor de Marketing Digital e também do Programa Executivo de E-Commerce da Digital House.

2. Plataformas têm recursos: saiba usá-los

Toda plataforma tem ferramentas que podem (e devem) ser exploradas. Cálculo do frete e estimativa de prazo de entrega, por exemplo, são recursos que podem ser decisivos para a efetivação de uma compra. Para diversos segmentos do mercado é bastante útil a opção de sugestão de produtos que combinam ou complementam itens que o cliente já colocou no carrinho. Frete grátis e acúmulo de pontos de fidelidade também podem fazer seu e-commerce se diferenciar.

3. Design e usabilidade andam juntos

Com tantos sites e lojas virtuais na internet, a concorrência por atenção é enorme. Uma vez que você consiga a visita do cliente no seu e-commerce, procure impactá-lo com um visual impecável. Cuide da escolha de cores, fontes, botões e verifique se o layout está adequado à sua marca. Junto com o design, pense na usabilidade. São fatores que se apoiam. Avalie: seu site é fácil de entender? As informações estão claras? O visitante fica em dúvida em algum momento? De nada adianta ter um visual bonito, mas gerar dúvidas na experiência do usuário.

4. O e-commerce precisa funcionar (e bem) no celular

O termo em inglês que resume essa dica é “mobile first”. Ou seja, a experiência do usuário pelo celular deve ser priorizada. Sempre teste a plataforma, o design e a usabilidade no mobile e dê bastante atenção a isso. Atualmente, o volume de compras via celular só aumenta em relação ao desktop. A tendência é que, em breve, absolutamente tudo seja pelo celular.

5. Investir na apresentação dos produtos é fundamental

Em uma loja física, o cliente pode tocar, mexer e experimentar o produto. Na loja virtual, não. Essa desvantagem deve ser superada com uma exibição detalhada dos produtos. Apresente ângulos diferentes, faça vídeos e valorize detalhes que colaborem para a percepção de valor. Se o e-commerce é ligado ao setor de moda, por exemplo, mostre a peça em um look completo, dê opções de combinação, coloque zoom em itens de acabamento, como botões, costuras, textura do tecido.

6. Sem marketing digital o negócio não decola

Por melhores que sejam seus preços e produtos, por mais empenhado que você esteja, ninguém vai aparecer no seu site por acaso. Se isso acontecer, será uma exceção. No mundo online, é a loja quem busca o cliente, e não o contrário. Portanto, planeje um investimento em marketing digital. Além de movimentar seu site, gerando tráfego de usuários, você terá informações sobre a jornada de compra do visitante e sobre o seu negócio. Tais dados podem ser vitais para suas tomadas de decisão e ajustes de rota.

7. Quem vai atender o cliente?

Sua loja será frequentada por pessoas. E pessoas têm dúvidas, problemas, mudam de ideia, se arrependem. Se em uma loja física o atendimento ao cliente é importantíssimo, que dirá em uma loja virtual? Planeje como funcionará essa operação: quais são os canais de atendimento, quem atende, em quanto tempo, de que forma. Lembre-se: você irá lidar com o público e precisa estar preparado para isso. Saber se expressar, ser veloz na resposta, estar alinhado aos direitos do consumidor. Sempre disponibilize um número de telefone, para o qual o cliente possa ligar.

8. Passe segurança

Comprar pela internet é um hábito relativamente novo para algumas gerações de consumidores. “Será que esse site é sério?” “O produto vai chegar?” “Vão roubar meus dados?” Essas dúvidas sempre surgem diante de uma loja nova. Há que se estabelecer confiança em todo o processo. Um dos instrumentos para isso é a Política de Privacidade, Troca e Devolução de Produtos. Quanto mais detalhada, melhor. Seja claro, objetivo e transparente em toda a sua comunicação e deixe esse item em evidência no site.

É fundamental que seu site tenha e exiba as certificações e selos de segurança, atribuídos por órgãos confiáveis. Informe também que a plataforma se responsabiliza pela privacidade dos dados do cliente, e que estes não serão fornecidos ou vendidos para terceiros.

9. Clientes têm pressa

Nada mais frustrante do que comprar algo que nunca chega. Por mais que o produto esteja correto, seja bom e não apresente problemas, se chegar atrasado a experiência do cliente com a sua loja será negativa. Escolha bem seu parceiro de logística. Cuide também para que a embalagem seja bonita, de boa qualidade, buscando surpreender positivamente seu cliente. Isso é fundamental para o sucesso do seu negócio.

Está pensando em iniciar ou otimizar uma operação de e-commerce? Nosso programa imersivo de e-commerce pode te ajudar. Aqui falamos um pouco mais sobre ele.

Comentários