MENU

| BR

Campus

Programação

Marketing

UX

Dados

Negócios

Paises

Co-marketing: conceito, benefícios e estratégias

Co-marketing: conceito, benefícios e estratégias
mkt
31 de julho de 2019
  -  
-min de leitura

O que você precisa saber sobre marketing compartilhado e porque essa pode ser uma boa saída para sua empresa


Quando o país dá sinais de recessão econômica, é comum empresas voltarem seus cortes e contingências para a área de Marketing. Esse cenário exige das equipes soluções criativas que podem, inclusive, acarretar na ressurreição de práticas já conhecidas, como é o caso do co-marketing.

O nome pode ser novo, mas o princípio já vem sendo aplicado há alguns anos. Co-marketing é quando você unifica sua estratégia de marketing com a de uma empresa que tenha público-alvo e objetivos semelhantes. Alguns são exemplos podem ser encontrados nas campanhas conjuntas feitas por companhias aéreas e locadoras de carros, ou lojas de artigos esportivos e academias.

Não são necessariamente empresas que competem diretamente entre si, mas que atuam em mercados semelhantes. Nos casos citados acima, nos nichos de turismo e esportes.

Talvez seja o momento certo para olhar para a área de atuação de sua empresa e buscar possíveis parceiros que queiram criar uma parceria frutífera em prol de um bem comum. Afinal, o co-marketing é a síntese da expressão "a união faz a força".

Benefícios do co-marketing

Quando duas empresas optam pelo co-marketing, elas compartilham os dois lados da moeda: trabalho e resultados. A não ser que uma empresa tenha mais interesse na parceria que a outra, sendo possível então negociar quem contribuirá com o quê.

Força de uma aliança

O co-marketing permite que as duas empresas envolvidas consigam aumentar seu alcance, cruzando base de dados e leads. Apesar de atuarem no mesmo segmento, os clientes de uma empresa podem não conhecer a outra. Assim, ambas aumentam suas oportunidades de vendas.

Confira ainda 4 empresas que estão usando o Big Data para aumentar receitas e diminuir custos.

A melhor maneira de fazer isso acontecer é cada empresa disparar e-mails para as respectivas bases apresentando a parceira e incluindo sua assinatura na mensagem. Não cadastre em sua base e-mails de pessoas que não se inscreveram em sua newsletter, as duas empresas podem ser classificadas como spam e ter este importante recurso bloqueado.

Orçamento

Ao unir duas estratégias de marketing para um bem comum, com foco no mesmo público-alvo e ações similares, você consegue economizar mão de obra, melhorar a produtividade da equipe e reduzir o investimento em ferramentas. Tudo isso sem comprometer a taxa de sucesso de sua campanha.

Ande com os experts da área

Ao optar pelo co-marketing, é importante ter em mente com qual tipo de empresa você quer se associar. Andar com os experts da área irá, automaticamente, conferir autoridade e respeito à sua marca.

Além do mais, quando sua empresa é indicada por uma marca “de confiança” dos clientes, eles tendem a transferir parte dessa confiança a você, que é recomendado por alguém que já conquistou respeito.

Lembre-se que é sempre uma via de mão dupla, esses benefícios devem existir tanto para você quanto para seu aliado.

Estratégias de co-marketing

Seja exigente na escolha

Já falamos alguns parágrafos acima como é importante escolher o parceiro certo para sua estratégia de co-marketing. Não é só a posição da outra empresa no mercado que precisa ser levada em consideração nessa decisão.

Pense em alguém que possa complementar seu produto e que agregue valor ao projeto. Evite empresas que não possuem conhecimento em marketing digital ou não têm conceitos básicos definidos como público-alvo, persona, jornada do consumidor, entre outros.

Palavra-chave: Planejamento

Já percebeu como quase todos os artigos que falam sobre estratégia têm a palavra “planejamento” como um item importante? Pois bem, se planejar é importante quando você está definindo caminhos para sua própria empresa, é algo indispensável quando você está desenhando um projeto com um parceiro.

O planejamento precisa ser meticuloso e envolver seu aliado em cada etapa. Não se apresse e não tente fazer as coisas acontecerem antes do tempo. É preciso de paciência extra quando se trata de co-marketing, pois é o futuro de duas marcas em jogo.

Todo mundo ganha

Estabeleça uma relação em que todo mundo ganhe, não tente ser esperto e tirar vantagem do co-marketing para alavancar sua empresa. Seu parceiro precisa sair desse projeto com tantos benefícios e ganhos quanto você.

Em alguns casos, como já falamos acima, as duas empresas podem não compartilhar a mesma posição e status dentro do mercado. Ou talvez uma companhia seja maior que a outra. Em casos em que a parceria já começa com um certo de nível de desigualdade, é importante criar uma compensação.

A empresa com mais recursos pode realizar a maior parte do investimento, enquanto a outra entra com mão de obra, por exemplo.

Divida bem as tarefas

A partir do momento em que foi definida qual será a relação entre as empresas parceiras, divida as tarefas e deixe bem claro para cada lado qual seu papel a cumprir. A troca pode ser um post no blog, webinar, eBook, vídeos, eventos e o que mais as empresas identificarem como troca positiva no que abrange o marketing compartilhado.

Durante o planejamento, aproveitem para mapear as forças e fraquezas das respectivas áreas de marketing de cada empresa. Esse exercício pode ser valioso no momento de decidir quem vai controlar o investimento em redes sociais e quem vai acompanhar KPI’s e medir resultados, por exemplo.

Hora de medir resultados

Falando em medir resultados, é preciso acompanhar as métricas das ações realizadas no co-marketing para ter certeza de que a parceria foi, de fato, um sucesso. Esses dados são valiosos durante a parceria, para realizar eventuais ajustes nas campanhas, e depois que o acordo foi finalizado, para saber quais foram os erros e acertos.

Aproveite para ler 5 métricas essenciais de marketing digital para ficar de olho.

Bons números também servirão de base para um próximo projeto com um novo parceiro de co-marketing no futuro. Você poderá apresentar os resultados positivos de uma estratégia compartilhada.

Outras notícias

Mobile first, mobile only e a importância disso para seu e-commerce img
tech

Mobile first, mobile only e a importância disso para seu e-commerce

O crescimento do mercado de e-commerces no Brasil é uma realidade. Em 2018, o faturamento foi de R$53,2 bilhões, de acordo com um estudo do eBit/Nielsen. Isso significa que o comércio virtual cresceu 12% no período!Que os consumidores estão cada vez mais conectados, é inegável. Segundo a pesquisa Webshoppers, 5,3 milhões de pessoas no Brasil compraram online pela primeira vez apenas no primeiro semestre de 2019!  Mas a penetração da internet na sociedade vai muito além do que apenas aqueles que estão sentados em frente ao computador.O conceito de mobile first define essa realidade e se torna cada vez mais fundamental para a estratégia de quem vende na internet. Mas o que significa isso?O que é mobile first?O termo Mobile First (“dispositivo móvel primeiro”, em tradução literal) foi empregado pela primeira vez no título de um livro do diretor de produto do Google, Luke Wroblewski. Essa publicação já falava, em 2011, da importância de criar sites e aplicações pensando, primeiramente, na experiência por meio do smartphone.A ideia é priorizar a navegação pelo celular, uma vez que essa passou a ser a principal forma de acessar a web nos últimos anos. De acordo com o estudo The Global Mobile Report, de 2017, 73% do tempo online dos brasileiros é gasto nos smartphones.Quando você olha em volta e pensa nos seus próprios hábitos, fica fácil enxergar por que o celular deve ter tanto peso na estratégia por trás de iniciativas digitais, não é mesmo?E mobile only, o que é?Para algumas pessoas, o mobile first já começa a se tornar ultrapassado. Isso porque uma parcela crescente da população nem acessa mais a internet pelo computador. Em 2017, a pesquisa The Global Mobile Report já apontava que quase 30% dos brasileiros se conectavam exclusivamente pelo celular.A tendência é que essa parcela da população continue aumentando, uma vez que os smartphones fornecem cada vez mais funcionalidades para os usuários e costumam ser uma alternativa mais acessível do que os computadores. De acordo com um estudo do Pew Research Center, 60% dos adultos brasileiros possuem um celular com conexão à internet. Mas não apenas o lazer se dá pelo celular.Consumo no mobileAssim como a utilização de redes sociais, como Facebook, Instagram e WhatsApp, o consumo também é afetado pelo aumento da importância do mobile na sociedade. Em 2018, 43% das compras online foram realizadas por smartphones, conforme estudo da Clearsale. Isso representa um aumento de 28% em relação a 2017!Como os números apontam crescimento ano após ano, as empresas têm se adaptado à nova realidade e a compra por meio dos celulares vêm se tornando cada vez mais simples. Assim, a tendência também é que o brasileiro dependa cada vez menos do desktop para consumir.Você deve se lembrar da época em que pesquisava um produto no celular para comprá-lo depois pelo computador. Nem faz tanto tempo assim, mas esse hábito deve se tornar, cada vez mais, coisa do passado.Se você quer ter uma loja virtual, precisa estar atento a essa tendência. Isso porque os clientes que não tiverem boa experiência no smartphone em um e-commerce não hesitarão em procurar o produto que querem no concorrente.Por isso, é preciso estar adaptado para que o público consiga realizar compras por mobile na sua loja virtual. Então, preparamos algumas dicas rápidas para que seu e-commerce esteja otimizado.Como otimizar seu e-commerce para mobileExistem algumas formas de melhorar a navegação dos clientes que acessam sua loja virtual pelo celular e que não exigem tanto trabalho assim. Prestando atenção a apenas alguns detalhes, você pode evitar perder esses consumidores!1. Escolha uma plataforma mobile firstNo momento de escolher a plataforma que vai usar para montar sua loja virtual, preste atenção se essa empresa oferece boas soluções para a navegação pelo celular. Os layouts devem se adaptar perfeitamente aos smartphones e o cliente não deve ter problemas.Se estiver na dúvida, pergunte, pesquise e teste! Tente acessar e-commerces das plataformas que te interessaram para ver como esses sites carregam no seu celular. Dessa forma, fica mais fácil decidir.2. Não carregue muitos produtos por páginaQuando for montar sua loja virtual, evite subir muitos produtos por página. Isso vai tornar o tempo de abertura maior porque serão muitas fotos a serem carregadas de uma vez.Separe os produtos por categorias e organize seu e-commerce dessa forma. Assim, a navegação fica mais simples e mais rápida! Isso vai melhorar a experiência do cliente no seu site e quem estiver comprando pelo celular não terá problemas.3. Tenha um checkout transparenteDe forma resumida, o checkout transparente é aquele em que o usuário não é redirecionado a outra página na hora de inserir os dados de pagamento em uma loja virtual. Evitar a abertura de outra janela é uma ótima forma de melhorar a navegação no mobile. Afinal, sabemos como é chato e pouco prático quando várias abas são abertas no navegador do celular.O aumento dos números de pessoas usando e consumindo por meio dos celulares mostra como é importante estar preparado para esse tipo de navegação no seu e-commerce. Entender os conceitos de mobile first e de mobile only só vai te ajudar a melhorar a experiência dos usuários na sua loja virtual, além de colaborar com a estratégia de SEO do seu site. Então, está preparado para facilitar a compra dos consumidores por meio de seus smartphones?---Informações da autoraVictoria Salemi é a editora responsável pelas parcerias de conteúdo da Nuvemshop, a maior plataforma de e-commerce da América Latina em lojas ativas. Formada em Jornalismo, ama escrever e tornar assuntos complicados acessíveis a todos!

O trabalho flexível veio para ficar img
carreira

O trabalho flexível veio para ficar

Você já ouviu falar em trabalho flexível? É uma nova forma de se relacionar com trabalho, que não gira em torno de bater ponto, mas sim de produtividade. E hoje, para ser uma empresa atraente e um profissional desejado, é preciso entender por que o trabalho flexível é tão importante. Profissionais não só acreditam que são mais produtivos em um trabalho flexível, como consideram esse um fator de desempate na hora de escolher uma nova empresa. As afirmações são resultado de uma pesquisa da Internacional Workplace Group (IWG) realizada no começo de 2019.A pesquisa, feita com 15 mil profissionais entre diretores, funcionários, consultores e empreendedores de 80 países, mostra que 83% desse grupo considera a flexibilidade no trabalho um fator decisivo para escolher uma proposta de emprego. Outros 85% notaram um aumento na própria produtividade quando aderiram ao novo modelo de trabalho.E não é difícil imaginar o motivo por trás desses resultados. A relação com trabalho mudou e profissionais buscam cada vez mais manter um equilíbrio saudável entre vida pessoal e trabalho. Qualidade de vida, de acordo com dados da IWG, é a principal motivação para buscar um trabalho flexível.Funcionários querem tempo para buscar ou levar os filhos na escola, almoçar em casa, ir ao banco ou a consultas médicas, gastar menos tempo e dinheiro com descolamento. Tudo isso sem causar desgaste e estresse com superiores e outros colegas de trabalho.Se você é empresário, não deixe seu negócio para trás e implemente formas de trabalho flexível, como o trabalho remoto, no dia a dia de seus funcionários.Como adotar o trabalho flexível na sua empresaO trabalho flexível pode ser adotado de diversas maneiras dentro de uma empresa. É possível oferecer a opção de home office alguns (não todos) dias da semana; o funcionário pode escolher o melhor horário para chegar; a empresa pode estabelecer uma quantidade mínima de horas a serem cumpridas presencialmente e deixar o funcionário auto gerenciar suas horas, entre outras possibilidades.Independentemente do modelo de trabalho flexível adotado, é preciso uma drástica mudança na cultura da empresa para ter sucesso. Em vez de focar em horas trabalhadas e em “ver seu funcionário trabalhando”, é preciso olhar para os resultados e as entregas. O que seu colaborador produz e a qualidade dessa produção devem ser mais importantes do que o horário em que ele bate o ponto. Benefícios para todosAo contrário do que alguns gestores podem acreditar (e pregar), adotar jornadas flexíveis diminui a quantidade de faltas e atrasos. Parece contraditório, mas o motivo é bem simples: os funcionários se sentem mais satisfeitos e, consequentemente, tornam-se mais engajados.Para a empresa, esse aumento de produtividade e engajamento gera resultados positivos no alcance de metas, desenvolvimento de novos projetos e, o mais importante, no saldo financeiro.Do outro lado, os funcionários se beneficiam com qualidade de vida, redução de estresse, equilíbrio entre vida profissional e pessoal. Se você é um profissional em busca do trabalho remoto dos seus sonhos, veja aqui algumas de nossas dicas.

Estratégias de Marketing Digital: descubra qual é a melhor para o seu negócio img
mkt

Estratégias de Marketing Digital: descubra qual é a melhor para o seu negócio

Se uma empresa não estiver presente no digital, ela corre um grande risco de sair perdendo na corrida do mercado. Felizmente, os investimentos em Marketing Digital deixaram de ser vistos como um custo supérfluo, ou como aquela atividade que poderia ser feita pelo sobrinho “fera em redes sociais”. Brincadeiras à parte, já entendemos que atuar no meio digital é coisa séria.No entanto, são tantas as estratégias existentes que, com certeza, deve ser complicado decidir por onde começar. O fato é que, antes de mais nada, para entender qual o melhor caminho a seguir e criar uma estratégia eficaz para as necessidades da marca, é preciso ter uma clara compreensão do negócio, do produto ou serviço e do público. Ainda assim, são tantas frentes e tantos objetivos diferentes que vale trazer uma explicação da diferença de cada uma delas. Neste post, vamos mostrar 8 estratégias de Marketing Digital para você decidir qual (ou quais!) implementar para ontem!Inbound MarketingPara entender o Inbound Marketing, ou também conhecido como Marketing de Atração, vamos trazer um paralelo com o Marketing Tradicional, também conhecido como Outbound Marketing. Nele, a marca impacta novos clientes de maneira interruptiva, com campanhas publicitárias, anúncios em revistas, jornais e na TV, jingles que grudam feito chiclete na nossa mente, entre outros.Pois bem, ao invés de perseguir os clientes, o Inbound Marketing atrai, por meio de conteúdo de valor, experiências relevantes e mensagens não intrusivas. A base do Inbound é o conteúdo relevante e de qualidade, que ajudará a construir um relacionamento duradouro com o público interessado, despertando o interesse para que a conversão tenha valor agregado e o mesmo se torne fiel à marca.Marketing de ConteúdoMuita gente pensa que Marketing de Conteúdo e o Marketing de Atração são a mesma coisa. Uma estratégia de Inbound, que tem foco em vendas e conversão, só funciona se tiver uma boa estratégia de Conteúdo, que tem foco no relacionamento com o público.O Marketing de Conteúdo dissemina informações de caráter mais educacional, que nem sempre estão diretamente ligadas ao que a marca vende ou oferece. Atua-se, aqui, com territórios de conteúdo, ou seja, com temas que fazem sentido para a marca comunicar, mas sem entregar uma oferta de produto ou serviço diretamente.Um exemplo prático são as newsletters com dicas e notícias sobre o mercado de ações e como fazer seu dinheiro render mais, vindas de bancos de investimentos. A instituição não está, exatamente, trazendo ofertas de fundos de investimentos disponíveis na sua plataforma, mas está ajudando pessoas interessadas no assunto a ter maiores ganhos e trazendo informações valiosas para aprender a investir melhor.Social Media MarketingO marketing de redes sociais é uma maneira de ter ainda mais alcance da sua mensagem, atraindo e mantendo os seguidores. Com isso, espera-se o engajamento com a marca a ponto de gerar advogados de marca, ou seja, aquelas pessoas que são fiéis defensoras da marca, elogiando-a publicamente e ajudando a validar as mensagens divulgadas. Uma regra bastante conhecida para quem atua com estratégia de redes sociais é deixar de lado a formalidade. Para não errar no tom, é preciso saber conhecer as características e o papel de cada rede; só assim você garante que produzirá conteúdos relevantes de acordo com o canal. Aliás, no curso de Marketing Digital aqui da Digital House, há aulas específicas só sobre esse assunto. Fica a dica!E-mail MarketingDefinitivamente, fazer E-mail Marketing não é apenas disparar e-mails de forma desenfreada e sem métodos. A estratégia de relacionamento requer cuidado de entender e segmentar os públicos para que se enviem as mensagens certas, no momento certo e para as pessoas certas, para não cair em spam ou se tornar uma mensagem indesejada.É fundamental considerar a etapa do funil em que cada público está, para saber se será o momento de entregar uma mensagem de apresentação da marca, com um cupom de desconto, ou mesmo para pedir um feedback sobre o produto adquirido. Para isso, tenha dedicação e paciência, pois é preciso muito trabalho prévio antes do primeiro disparo. Porém, se bem feita, é uma estratégia de alto impacto e com grandes chances de conversão!SEOEssa sigla vem do inglês Search Engine Optimization, e é uma estratégia para otimização e melhor posicionamento nos mecanismos de busca, como no Google. Contempla critérios e técnicas para escrever no site, blogs e outras páginas da marca no digital, de maneira que o conteúdo seja considerado relevante o suficiente para aparecer nos primeiros resultados da busca.O resultado de uma estratégia bem feita, que contempla bom conteúdo, estruturação de heading tags, URLs, títulos e descrições, palavras-chave, experiência do usuário, entre outros, reflete positivamente no tráfego orgânico do site, no aumento dos leads e, claro, nas conversões.SEM e Social AdsEnquanto o SEO atua com posicionamento orgânico, o SEM (Search Engine Marketing) se refere à promoção por meio de anúncios pagos nas plataformas de busca e sites parceiros do Google. A combinação das duas estratégias resulta em ótimos resultados em curto, médio e longo prazo!Já a estratégia de Social Ads também fala sobre publicidade paga, mas dessa vez, para as redes sociais, como Facebook, Instagram, Twitter e Linkedin. Com o alcance orgânico cada vez mais baixo para as marcas nessas plataformas, fica inevitável não criar campanhas de Social Ads para amplificar e aumentar o alcance dos seus conteúdos.Video MarketingQueridinha da atualidade, a estratégia de Vídeo Marketing atua com o desenvolvimento de conteúdos por meios audiovisuais. Isso quer dizer que, ao invés de trabalhar com atração, conversão e retenção de clientes com conteúdo em texto, a marca pode utilizar vídeos para turbinar as mensagens de marca e encantar ainda mais os consumidores e prospects.Vale reforçar que vídeo também é uma forma de fazer Marketing de Conteúdo, claro. Só que, com uma mudança de mindset, onde se vê pessoas preferindo o vídeo ao texto, observa-se aí uma vantagem para buscar mais engajamento. E, dependendo do storytelling, pode ser visualmente mais atrativo e marcar o usuário!Marketing de InfluênciaQuando a marca atrela sua imagem a formadores de opinião, que podem comunicar benefícios de seus produtos e serviços de maneira mais leve, natural e espontânea, estamos falando de Marketing de Influência. Ela é uma das estratégias mais importantes do Marketing Digital, até porque já se sabe bem que é preferível ouvir opiniões de outras pessoas sobre um produto a contentar-se com a própria marca falando de si mesma.Vale ressaltar que, quando falamos de estratégia com influenciadores, não falamos de publicidade direta, com o influencer mostrando o produto na tela e fazendo merchan. A ideia é fazer conteúdo não intrusivo, em que o influenciador encontra uma maneira de contar uma história que insira sua marca no contexto, gerando consideração e credibilidade.Perceba que o leque de opções é enorme e, depois de conhecer um pouco sobre cada uma delas, reflita sobre quais se adequam à realidade da sua empresa hoje. Conheça seus pontos fortes e oportunidades e dedique um tempo para melhorar seu Marketing Digital. Você não vai se arrepender!