07 de Maio de 2019
UX

Como começar uma carreira em UX?

Você se interessa pelo mercado de experiência do usuário, mas não sabe por onde começar? Agora vai saber!

User Experience é uma área voltada exatamente para aquilo que seu nome sugere: a experiência do usuário. E o primeiro passo para começar uma carreira em UX é entender o que isso significa.

Pense no seu dia a dia, nos sites que você navega ou nos apps do seu celular. Pare um segundo para refletir a respeito de suas funcionalidades, sua praticidade e seu design. Há algo que você mudaria? Talvez um caminho mais fácil para chegar ao carrinho de compras naquele seu e-commerce favorito? Quem sabe cores em tom pastel seriam mais agradáveis? Por que não um menu drop no seu site de notícias? Tudo isso – e muito mais – está associado a UX.

Ao contrário do que muita gente pensa, UX não é um mercado que só este ou aquele profissional pode atuar, existem muitos ramos de especialização dentro da experiência do usuário. E sua carreira vai depender de qual nicho se encaixa melhor ao seu perfil.

A professora e coordenadora do curso de Experiência do Usuário na Digital House, Amyris Fernandez, compara os desdobramentos da carreira de UX com a medicina, salvas as devidas proporções, “Quando você decide ser médico, pode se especializar em diversas áreas, como cardiologia ou otorrino, o mesmo acontece em UX”.

Agora que você já sabe um pouco mais sobre o que é experiência do usuário, está na hora de entender como começar uma carreira em UX. Abaixo, listamos algumas dicas para te ajudar nesse caminho.

Prepare-se para a maratona

Começar em uma nova área, recolocar-se no mercado ou fazer uma transição de carreira é similar a treinar para uma maratona. Você precisará dedicar muitas horas ao treino antes de conseguir ter sucesso. Para Amyris, é essencial separar uma quantidade significativa de horas de estudo no seu dia.

Procure blogs, podcasts, fóruns de discussão e livros para manter-se atualizado sobre o tema. Afinal, não basta só aprender os conceitos e as ferramentas, é necessário manter-se afiado e por dentro das mudanças e tendências do mercado. Seu estudo em UX será contínuo, mesmo depois de já ter conseguido uma posição no mercado.

Pense UX

Não basta só saber usar as ferramentas da rotina de um profissional de UX, para a coordenadora Fernandez, “qualquer tutorial na internet te ensina a manusear uma ferramenta, é preciso saber pensar UX”.

Mas o que significa “saber pensar UX”? Significa ser mais do que um mero executor e conseguir enxergar problemas, necessidades, soluções e estratégias. Pensar UX é conhecer todos os processos que envolvem a experiência do usuário e conseguir antecipar possíveis problemas no projeto.

Para isso, é importante “adquirir vocabulário”. Segundo Amyris, é preciso entender o “idioma” que todos do seu time de UX falam: os conceitos de TI e programação, os jargões dos designers e as análises do time de dados.

Sendo assim, na hora de escolher um curso na área de UX, procure aquele que te oferece todo o arco de conhecimento e que vai passar por todas as especificidades da experiência do usuário, fornecendo, assim, uma visão macro da profissão.

Faça seu portfólio contar sua história

Uma das dúvidas mais frequentes para quem pensa em começar uma carreira em UX é a necessidade de portfólio que muitas empresas pedem. Se você está começando na área, ainda não tem nenhum projeto para mostrar. Mas se não for empregado por alguém, nunca terá experiência para um portfólio.

Mais do que apresentar um grupo de imagens e descrições, a dica da professora Amyris é fazer seu portfólio contar uma história sobre a experiência que você adquiriu até agora. Por que não narrar algum exercício em sala de aula que você desenvolveu uma excelente solução com seu grupo?

Você pode analisar um site, identificar um problema e propor algo novo. Mais do que mostrar sua habilidade com Photoshop ou com pesquisas de usuário, seu portfólio deve mostrar que você consegue traduzir o problema do cliente e oferecer a melhor solução.

Faça networking do jeito certo

Estamos acostumados a limitar nosso networking a professores, colegas de classe, ambiente de trabalho e eventos em nossa área. Mas a coordenadora de UX da Digital House aconselha levar seu networking para o próximo nível.

“Circule em camadas que são acima do seu nível de conforto. Compareça em eventos que não são de UX, não tenha medo de marcar almoços e cafés”, explica. Para Amyris, o melhor networking é proativo em vez de somente reativo, “não fique esperando as coisas acontecerem, seja ousado e focado”.

Entenda que você está (re)começando

A parte mais difícil para quem quer começar uma carreira em UX ou qualquer outra área é entender que será preciso dar um ou mais passar para trás antes de conseguir avançar. Você não será coordenador ou gerente e UX de primeira.

Muitas pessoas que estão procurando transição de carreira acreditam que suas experiências prévias vão conseguir alavancar essas mudanças, mas essa está longe de ser a regra. É preciso muita humildade e a compreensão de que muitos erros serão cometidos antes de acertos. A boa notícia é que erros são excelentes professores.

Gostou? Aproveite para saber mais sobre o curso de UX da Digital House Brasil.

Comentários