MENU

| BR

Campus

Programação

Marketing

UX

Dados

Negócios

Paises

Entenda a diferença entre Data Science, Data Analytics e Big Data

Entenda a diferença entre Data Science, Data Analytics e Big Data
dados
13 de junho de 2019
  -  
-min de leitura

Essa é a dúvida mais comum na hora de escolher um curso na área de dados. Mas você vai descobrir a resposta agora


Quem nunca ouviu a frase "dados são o novo petróleo"? A verdade que poucos entendem por trás dessa afirmação é que o grande volume de dados disponíveis hoje está mudando o mundo, a indústria e a forma como consumidores e empresas se relacionam. De acordo com a revista Forbes, a quantidade de dados está crescendo de forma tão rápida que até o ano de 2020 estima-se que 1.7 megabytes de informação será criado a cada segundo para cada pessoa no planeta. Há uma gigantesca transformação na forma como decisões são tomadas, mas para isso é preciso saber coletar, extrair, analisar, classificar, examinar e comparar todos os dados à nossa disposição. E isso não é uma tarefa simples. A alta demanda por quem saiba manejar dados tornou muito valiosas - e rentáveis - as profissões desta área. Mas surge uma grande dúvida para quem busca entrar nesse mercado: qual a diferença entre Data Science, Data Analytics e Big Data? As três são áreas de conhecimento e atuação que trabalham com o mesmo objeto: dados. Mas cada uma tem suas especificidades quando entramos no dia a dia de seus profissionais. Para saber qual destas vertentes é melhor para você, é preciso conhecer cada uma mais a fundo.

O que as une

Para trabalhar com data science, data analytics ou big data é preciso ter habilidade com matemática, principalmente estatística. Esse conhecimento será aplicado de diferentes formas, enquanto para um analista de dados é indispensável habilidade com estatísticas descritivas e inferenciais, para um analista de big data é preciso estar por dentro de "crunching numérico", ou seja, saber processar dados numéricos em larga escala.

O que as separa

Apesar de lidarem com o mesmo produto, cada área enxerga a trata dados de uma maneira específica. Ambas examinam um conjunto de dados brutos para extrair informações de valor, mas o cientista de dados lida com análises e métodos mais complexos. É por isso que é imprescindível para um cientista de dados conhecer linguagens de programação, mas não para um analista de dados. Já para quem trabalha com Big Data, tudo isso é amplificado por um enorme volume de dados que precisam ser tratados. Mas vamos ver com mais detalhes as especificidades de cada área a seguir.

Data Analytics

A definição simples de data analytics é que esta é a ciência de examinar dados brutos para poder extrair conclusões e informações de valores a respeito daquele dado. Geralmente, envolve aplicar um algoritmo ou um processo de automação para extrair esses insights. A análise de dados sempre obtém suas conclusões a partir de conhecimentos que o pesquisador já possui, isso significa que seu foco é na inferência. Cientistas e pesquisadores, por exemplo, utilizam data analytics para verificar ou desacreditar modelos e hipóteses. Já empresas, utilizam para validar tomadas de decisões. O analista de dados podem utilizar ferramentas como SAS e R para extrair dados e procurar informações de valor, mas não é algo mandatório no dia a dia do profissional. Seu trabalho envolve responder questões de rotina, que geralmente são determinadas pela empresa. Para trabalhar com data analytics não é fundamental conhecer linguagens de programação como R e Python. No entanto, é essencial possuir facilidade com números e afinidade com estatística. Para analistas de dados, a habilidade de conseguir transformar os dados em algo que possa ser facilmente visualizado ou de conseguir comunicar adequadamente as informações de valores extraídas faz toda a diferença no momento de apresentar resultados. Por isso, é importante que um analista não seja só focado na parte exata, mas também consiga exercer criatividade. Atualmente, algumas das muitas áreas que mais fazem uso dos conhecimentos e habilidades de um analista de dados são saúde, viagem, jogos e gerenciamento de energia. Coletar e interpretar dados consegue auxiliar desde a eficiência no atendimento de pacientes até a otimização de distribuição de energia elétrica para cidades.

Big Data

A principal característica que difere Big Data de Data Analytics e Data Science é o volume de dados, que aqui, como o próprio nome sugere, é grandioso. Sendo assim, você não consegue usar as mesmas ferramentas e modelos estatísticos que usaria em volumes menores de dados. Como é impossível processar todos esses dados usando a memória de um único computador, os dados brutos podem ser estruturados ou não estruturados. No dia a dia de uma empresa, a Big Data pode se tornar uma grande inundação se não for tratada adequadamente. Existem três "V" que definem Big Data: volume, velocidade e variedade. A quantidade de dados gigantesca chega em altíssima velocidade e com uma grande variedade de informações que precisam ser selecionadas. Para ser um profissional da área, existem algumas habilidades em comum que são necessárias para qualquer um que queira se envolver com dados. Mas o diferencial está na capacidade analítica para conseguir determinar quais dados desse grande volume são de fato relevantes para sua busca. Também é preciso ser criativo, assim como os analistas de dados, para conseguir encontrar novas formas de coletar, interpretar, analisar e organizar sua estratégia. Por fim, é preciso ter visão de negócios, estar por dentro dos objetivos que estão sendo traçados para a empresa e entender os processos que buscam crescimento e aumento de lucros. Isso porque big data é usado para auxiliar na definição de estratégias e tomadas de decisões, e atualmente tem sido fundamental para diminuir gastos e aumentar receitas. O mais comum para quem atua como analista na área de Big Data é trabalhar em grandes instituições financeiras, já que estas são as empresas que mais possuem e coletam dados ao nosso redor. Pode ser em bancos, empresas de seguro, cartão de crédito, entre outros. Outras áreas de atuação comuns são as áreas de telecomunicação e varejo. O desafio está na capacidade de conseguir analisar grandes quantidades de dados gerados todos os dias de fontes diferentes e conseguir extrair o que é mais relevante.

Data Science

O cientista de dados, assim como o analista de big data, também pode lidar com dados estruturados ou não estruturados. Mas o diferencial está em ir além de simplesmente responder perguntas, como fazem os dois profissionais acima. Quem trabalha com data science precisa saber fazer as perguntas certas e prever cenários futuros a partir da análise e extração de dados. Data science é a soma de matemática, programação, estatística, machine learning, solução de problemas e a habilidade de capturar, limpar, preparar e alinhar os dados. Os conhecimentos aplicados e necessários para um cientista de dados são mais específicos e técnicos, como a importância de conhecer linguagens como Python, R, SAS, Java, Perl, C/C++, e plataformas como Hadoop e SQL. As áreas de atuação são inúmeras e os cargos se concentram principalmente em mecanismos de buscas, marketing digital e sistemas de recomendação, quando você recebe uma recomendação baseada em uma pesquisa prévia. É o cientista de dados quem define o algoritmo que entregará a resposta da sua pesquisa no Google em uma fração de segundos. Também é o data science que define o alcance de anúncios em sites e redes sociais, ou que auxilia na experiência do usuário na hora de encontrar um produto ou serviço específico em um oceano de ofertas. Esses são só alguns dos exemplos das muitas possíveis formas de aplicar data science no dia a dia de uma empresa ou de um negócio.

Qual é o melhor caminho para você?

Agora que você já sabe quais são as principais diferenças entre data analytics, big data e data science, suas habilidades específicas e áreas de atuação, é hora de responder qual delas melhor se adequa ao seu perfil. Isso vai depender da sua criatividade, capacidade de análise e solução de problemas, afinidade com estatística, matemática e programação. Também depende de onde você quer atuar, se você prefere construir uma carreira voltada para saúde ou para produtos digitais. O que importa é não perder tempo na sua decisão, pois este é um mercado em expansão e que cada dia precisa de mais profissionais que saibam como analisar e interpretar dados. Se você está pensando em fazer um curso nesta área, veja as soluções que a Digital House Brasil pode oferecer para você.

Outras notícias

SEO: conceito, importância e estratégias img
mkt

SEO: conceito, importância e estratégias

Quantas vezes por dia você recorre ao Google para te dar alguma resposta sobre a vida, o universo e tudo mais? Plataformas e mecanismos de busca são as enciclopédias modernas (alguém ainda sabe o que é uma Barsa?) e nós fazemos uso deles com tanta frequência que nem notamos mais.Mas o Google não está interessado em somente dar respostas, ele quer fornecer as melhores respostas. E é nesse cenário que aparece o SEO. A sigla significa Search Engine Optimization, ou em tradução livre otimização de mecanismo de busca.Existe uma série de regras em cada mecanismo de busca para ajudá-los a encontrar os resultados mais certeiros, completos e com autoridade.Esse conjunto de critérios se traduz em técnicas que são utlizadas em blogs, sites e outras páginas na web para garantir que o conteúdo seja considerado relevante e, consequentemente, ganhe um bom rankeamento orgânico.Traduzindo de uma forma bastante simples: um site que segue todas as regras determinadas pelos mecanismos de busca tem mais chances de aparecer na primeira página de resultados.E seja honesto, quantas vezes você foi além da página 1 ou 2? A verdade é que 90% dos usuários do Google clicam apenas em resultados que aparecem na primeira página.Dessa forma, fica mais fácil entender porque SEO é tão vital para uma estratégia de marketing de conteúdo digital e por que estar nas primeiras posições é uma ambição tão grande de tantas empresasOutra grande vantagem de aplicar técnicas de SEO em sua página é o fato de ser gratuito e garantir tráfego orgânico para seu site. Mas isso não significa que não existam investimentos importantes a serem feitos para garantir uma excelente estratégia de SEO, como em ferramentas e mão-de-obra qualificada.Importância do SEOUma estratégia de SEO consistente e bem desenhada confere visibilidade e autoridade para sua marca. Os mecanismos de busca compreendem que o seu conteúdo tem qualidade e também vem de uma fonte confiável, por isso o coloca entre os primeiros resultados.Isso reflete no tráfego do seu site, na geração de leads, em conversão e vendas, ou seja, retorno financeiro para sua empresa. Pesquisas indicam que 93% das compras online começam com uma palavra-chave em mecanismos de busca, por exemplo.EstratégiasA gama de estratégias para SEO é bem extensa e vai de ações mecânicas do dia a dia a questões técnicas e complexas. Nós vamos listar as mais conhecidas e aplicadas dentro do Marketing Digital.ConteúdoUm bom conteúdo, como já falamos aqui no texto sobre Inbound Marketing, é a chave para qualquer estratégia bem-sucedida de marketing digital. E o SEO é a fechadura. Quanto mais exclusivo for seu conteúdo, mais autoridade você ganhará, pois outros sites irão te citar como fonte (vamos falar mais sobre isso em Link Building).Os mecanismos de busca também conseguem identificar conteúdos bem escritos, com ritmo de leitura e boa densidade de palavras-chaves. Aliás, para blogs e sites, recomenda-se um mínimo de 600 palavras em um texto para ganhar uma boa posição em páginas de busca. Além do corpo do texto, outros elementos fazem parte do seu conteúdo: como o título e a descrição, os links internos e as heading tags dentro do seu texto. Veja abaixo outros elementos do conteúdo que fazem parte da sua estratégia SEO e merecem sua atenção:Títulos: O título do seu texto deve ser objetivo, curto e conter a palavra-chave designada para aquele texto. Mecanismos de busca consideram um conteúdo de qualidade quando ele também posui subtítulo e parte do texto com destaques em negrito, pois deixa a leitura mais dinâmica.Descrição: A descrição é aquilo que aparecerá no mecanismo de busca logo abaixo do título e do link, é um breve resumo do assunto do seu texto. Apesar de não ter interferir no rankeamento da sua página, ela influência na taxa de clique. Se for um resumo chamativo e com um Call-to-action, melhor ainda.URL: Os mecanismos de busca fazem uma varredura nos hiperlinks e na URL do seu site ou post em blog. Códigos e palavras sem sentido não são bem vistas, mas incluir a palavra-chave em um texto curto e descritivo é um tiro certeiro.Links internos: Os links internos não parecem ser muita valia porque geralmente direcionam para páginas fora do seu site, certo? Errado. Eles auxiliam os motores de busca a entenderem em qual gama de asuntos seu blog se encontra e com quais sites ele se relaciona. O texto âncora, ou seja, a palavra ou frase que irá receber o link precisa de atenção: frases genéricas não melhoram seu rankeamento da mesma forma que palavras-chave primárias e secundárias.Heading Tags: Dentro do texto, as heading tags (H1, H2, H3) ajudam os robôs dos mecanismos de buscas a ordenarem o conteúdo em estrutura lógica que vai do mais importante (H1) ao menos importante (H3).Link buildingNós já falamos extensivamente de Link Building em um outro artigo do nosso blog, mas sempre vale a pena reforçar sua importância para uma estratégia bem-sucedida de SEO.Fazendo uma rápida recapitulação: links contam como votos para mecanismos de busca e quanto mais votos seu site tiver, ou seja, quanto mais pessoas incluírem seu link em suas páginas, mais votos você tem.O Google também leva em consideração a qualidade dos votos, então os sites que fazem referência ao seu também precisam de um bom rankeamento na plataforma. NavegaçãoSEO vai muito além de conteúdo e palavras-chaves, também tem a ver com a estrutura do seu site. De nada adianta ter o melhor texto com as melhores keywords se seu site não posui alguns requisitos básicos que garantem uma navegação segura e prazeirosa para o usuário.Velocidade: uma página leve carrega mais rápido do que uma página repleta de gráficos complexos, animações e vídeos. E seus usuários querem uma página que seja mais leve que uma pena. E os mecanismos de busca também.Segurança HTTPS: Um dos maiores focos do Google é segurança na navegação dos usuários e o HTTPS se tornou um fator de rankeamento em 2014. Isso faz com que os dados enviados pelo seu site sejam autenticados e criptografados.Sitemap: O sitemap, como o nome diz, é um mapa do seu site que auxilia os mecanismos de busca a entenderem como seu site e sua estrutura funcionam.Site responsivo: Poucas experiências são mais desagradáveis para um usuário que entrar pelo celular em um site que não tem uma versão mobile ou que não é responsivo. Com o crescimento exponencial de acessos em sites e mecanismos de busca por meio de smartphones é vital ter um site responsivo.UXExperiência do usuário tem tudo a ver com estratégia SEO já que tudo o que está listado acima é usado não só para conseguir um bom rankeamento em mecanismos de busca, mas também para que o visitante do seu site tenha uma passagem agradável pelo seu conteúdo.Aqui entram as métricas e análises do seu site e também as taxas de acessos orgânicos (uma das principais métricas para saber se sua estratégia de SEO está no caminho certo). Você pode reunir inúmeros dados relevantes como taxa de rejeição, tempo de sessão, dados demográficos e assim por diante, com a ajuda de ferramentas como Google Analytics.Palavras-chaveA primeira coisa que vem à mente quando começamos a falar sobre SEO são as palavras-chaves, então por que elas são o último item desta lista? Porque elas poderiam ganhar um artigo só para elas, tamanhas são as possibilidades.Todo o seu conteúdo e a sua estratégia irá girar em torno de uma palavra-chave principal. E escolher os conjuntos de palavras-chave do seu site é uma tarefa exigente.Comece entendendo quais são os assuntos que giram em torno do seu negócio e que podem gerar conteúdos. Crie um mapa mental com as principais palavras relacionadas a esses temas.Com o auxílio de ferramentas como SemRush, Moz, Palavras-chave do Google e outras faça uma pesquisa com essas palavras. A sua pesquisa retornará dados e análises sobre a utlização e o volume de busca dessas palavras e poderá sugerir correlatas.O próximo passo é entender o que você já tem trabalhando a seu favor. Através de análise de dados, entenda quais palavras-chave geram tráfego para sua empresa atualmente. Por exemplo, o nome do seu site com certeza é buscado e faz com que as pessoas cheguem até você.Não descarte essas informações coletadas, guarde-as para consulta no momento de criar novos conteúdos e mantenha um monitoramento ativo do posicionamento orgânico de seu site, acompanhando o desempenho de seus conteúdos e das palavras-chave selecionada.Criar uma estratégia SEO exige dedicação e compromisso, mas não é uma tarefa impossível. Ao implementar essas técnicas em sua página web, os resultados positivos serão inevitáveis.Quer saber mais sobre marketing digital, seus conceitos e estratégias? A Digital House oferece cursos para quem está procurando uma nova carreira digital, venha nos fazer uma visita e saber o que podemor fazer por você.

 Inbound Marketing: Conceito, estratégias e benefícios img
mkt

Inbound Marketing: Conceito, estratégias e benefícios

Se você ainda não sabe o que é Inbound Marketing, está mais do que na hora de não só aprender seus conceitos, mas aplicar suas estratégias em seu negócio.Enquanto o marketing tradicional, também conhecido como outbound, "corre atrás" de seus clientes, tentando impactá-los com campanhas, anúncios e canções viciantes, essa nova forma de fazer marketing, conhecida como inbound, atrai os clientes até a sua empresa.Em tradução literal, Inbound Marketing significa "marketing de entrada", mas também tem sido traduzido como "marketing de atração", isso por causa da estratégia que citamos acima. Mas como, de fato, colocar toda essa atração em prática?A principal arma do Inbound Marketing é um conteúdo de qualidade. A partir do momento que seu cliente em potencial entra em contato com um conteúdo relevante e que desperta seu interesse, ele estará mais próximo de se tornar não só um cliente efetivo como também um embaixador da sua marca.EstratégiasAs estratégias do Inbound Marketing são melhor compreendidas e aprendidas quando as classificamos de acordo com a jornada do consumidor (ou, funil de vendas), que envolve as etapas de Atração, Conversão, Venda e Fidelização.AtraçãoNa hora de atrair potenciais clientes, é importante ter em mente que, como tudo na vida, qualidade está acima de quantidade. De nada adianta concentrar um volumoso tráfego para seu site ou ter milhares de seguidores e fãs em suas redes sociais se não houver engajamento e, principalmente, conversões e vendas.Confira 10 dicas para melhorar o seu marketing nas redes sociais.O marketing de conteúdo é o centro da sua estratégia de Inbound e ele estará presente em todas as etapas da jornada do consumidor.Para atrair com conteúdo, você precisa da tríplice site, blog e redes sociais. O site armazena e expõe todas as informações relevantes sobre seu produto e precisa ser fácil de encontrar em uma busca de palavras-chave. É por isso que você precisa investir em SEO (Search Engine Optimization) e incluir suas práticas em todos os conteúdos produzidos.O blog reunirá todos os conteúdos criativos, cativantes e informativos que serão utlizados em sua estratégia de Inbound Marketing. Os textos dessa plataforma também precisam seguir SEO (saiba mais sobre Search Engine Optimization).As redes sociais também são um importante e relevante canal para atrair público qualificado e ajudam a tornar sua marca atraente, mas lembre-se que ao expor sua marca nestas plataformas, sua empresa está sumetida a regras de interação e algoritmos alheios que podem não ser alinhados com seus objetivos. Por isso, é importante manter uma plataforma onde quem cria as regras é você, como um blog e um site.ConversãoAgora que seu público já está tomando forma, com visitantes regulares do site e fãs nas redes sociais, é preciso encontrar seus leads, ou seja, os clientes em potencial. As próximas estratégias tem como objetivo aproximar-se do público e intensificar seu relacionamento.Formulários e Landing Pages são ferramentas bastante utlizadas para conversão. São úteis para coletar informações dos clientes, como dados demográficos, mas precisam de atenção: os formulários precisam ser fáceis e descomplicados de preencher.Já as landing pages oferecem um conteúdo exclusivo e de alta qualidade, como um e-book ou uma e-class, em troca de algumas informações pequenas como seu nome e e-mail. Para ambos você precisa de um "chamado à ação" ou Call To Action, um convite sem rodeios e imperativo.Com as informações em mãos, você precisa fazer a gestão de relacionamento com o cliente. Isso acontece através de softwares de CRM (Customer Relationship Managment). Enquanto isso, um plano de CRO (Conversion Rate Oprtimization) pecisa ser desenvolvido, consideração testes e dados coletados.VendaAgora que você conhece seu consumidor, firmou uma relação saudável e duradoura com ele, e sabe do que ele gosta, está na hora de vender seu produto. Tenha em mente que neste estágio do funil de vendas, seu futuro cliente acredita na sua autoridade (graças ao seu bom conteúdo) e talvez falte muito pouco para convencê-lo a ir até o fim com a compra.Nesta etapa, e-mails marketing são fundamentais para manter seus leads interassados em sua marca e atualizados a respeito de novidades e promoções. O alto nível de personalização também ajuda a estreitar laços com seu lead, por isso ferramentas de automação são tão importantes.Elas te auxiliam a administrar, gerir e nutrir centenas de leads com necessidades diferentes sem deixar o cliente perder a sensação de que aquela é uma conversa direta com ele.Use o lead scoring para saber em qual seu momento sua conversão está: seu cliente acabou de chegar, está com você há algum tempo ou já desistiu da sua marca? A pontuação te orienta para saber como nutrir seus leads e qual a melhor sequência de e-mails para ajudá-lo a caminhar pela jornada do consumidor até o final.FidelizaçãoNão pense que a venda é o fim do seu relacionamento com o cliente. O pós-venda é tão importante (se não mais) quanto todo o processo que antecedeu o momento de fechar o negócio.Isso porque o seu cliente pode recomendar seu produto, trazer mais consumidores e ser uma voz a favor da sua marca. Ou ele pode fazer justamente o contrário, usar suas redes sociais e outros meios para influenciar pessoas a nunca mais comprarem seu produto. E a linha entre esses dois extremos é tênue.Para fidelizar seu cliente, você precisa de um atendimento pós-venda que não só avalie a satisfação do cliente com o produto, mas que também saiba solucionar possíveis problemas de maneira rápida, eficaz e ética. Práticas de SAC 2.0 com bots podem ajudam no princípio, mas o fator humano é sempre o mais reconfortante para o cliente.Os conteúdos não param de ser enviados depois da compra, pelo contrário, você deve continuar sugerindo conteúdos relevantes, de qualidade e que sejam complementares às necessidades que já foram atendidas.BenefíciosDepois de aplicar todas as estratégias acima e colocar em prática o Inbound Marketing em sua empresa, qual são as vantagen e os benefícios que retornarão para a sua empresa?Estratégias de Inbound têm mais chances de alcançar um público de alta qualidade e certeiro para sua empresa, afinal, muitas pessoas que procuram por serviços ou produtos específicos não os procuram em sites de marcas, mas sim em plataformas de busca, como Google. O Inbound Marketing, se bem executado, coloca a sua marca em uma posição de destaque nestas plataformas.Um público qualificado aliado a um conteúdo relevante resulta em confiança por parte do consumidor, consequentemente o ciclo das vendas torna-se menor enquanto o ticket médio aumenta. Como o próprio nome diz, a estratégia de marketing de atração visa aproximar-se do público alvo para que ele leve em consideração o que sua marca tem a dizer e a considere uma voz relevante no mercado.A interação constante com seus leads e as informações sólidas fornecidas através de um conteúdo de qualidade também garantem maior poder de perssuação para sua marca. Sem oferecer produtos e vendas de cara e dando tempo ao cliente para pesquisar seu produto e sua marca, você também ganha tempo para fazê-lo perceber que sua empresa é a melhor escolha.O Inbound Marketing é um relacionamento que deve ser visto como duradouro e deve ser cultivado desta forma. Seus clientes, quando bem atendidos e satisfeitos, terão mais chances de tornarem-se fiéis defensores da sua marca e verdadeiro embaixadores do seu produto.Por fim, é possível coletar dados e reunir métricas a respeito de todas as interações com os clientes, o que não só auxilia na melhoria constante de suas estratégias de comunicação como também previne gastos desnecessários.As melhores empresas do mundo colocam em prática estas estratégias de Inbound Marketing em seu dia a dia e não há como negar que os resultados são sempre benéficos e positivos. Não perca mais tempo e faça o mesmo pelo seu negócio!Quer saber mais sobre estratégias de Marketing Digital? Confira nosso curso intensivo e avance em seus conhecimentos sobre inbound marketing, SEO, mídias sociais, e-mail marketing e muito mais!

Web Developer: o que faz, quanto ganha e como se tornar um img
carreira
tech

Web Developer: o que faz, quanto ganha e como se tornar um

São tantas novas profissões nesse mundo novo e em constante mudança. Tudo está sendo reinventado, inclusive o mercado de trabalho. Por conta disso, diariamente, é quase rotineiro encontrar oportunidades de carreira que ainda não sabemos muito bem o que elas significam.Para quem está de olho na atuação com TI, isso fica ainda mais evidente. São muitas nomenclaturas de profissões e, para um iniciante na área, pode ser difícil definir em qual área da tecnologia atuar. Uma delas é a do desenvolvedor web, ou web developer. Onde esse profissional atua e quais habilidades são necessárias? Vamos descobrir a partir de agora!O que faz um Web Developer?Basicamente, esse é um tipo de programador especializado em desenvolvimento de sistemas para a internet, sendo responsável por manter o seu site ou aplicativo funcionando. Para isso, ele faz o planejamento da estrutura, constrói e depois mantém a manutenção dos códigos, para que tudo rode perfeitamente, dentro do esperado.Não é um trabalho muito fácil, pois envolve entendimento das mais diferentes linguagens de programação, estando sempre atento aos aspectos de back-end como servidores e segurança de dados, assim como no front-end, ou seja, com a experiência do usuário. Há quem prefira atuar com um ou outro aspecto, mas também há o Desenvolvedor Fullstack, ou seja, aquele que atua de maneira híbrida, tanto no campo do front-end, com HTML, CSS e Javascript, assim como com as linguagens do back-end.De toda forma, é uma profissão desafiante, com muito potencial de aprendizado e crescimento profissional, além de impactar positivamente o ambiente em que vivemos, por trazer soluções tecnológicas que podem ser benéficas para a sociedade!Web Designer x Web DeveloperEssa talvez seja uma das principais dúvidas de quem tem interesse em atuar com desenvolvimento: qual a diferença entre o web designer e o web developer?Enquanto o Desenvolvedor Designer atua com a criação do conceito do site, decidindo questões como cores, tipografia, tipos de conteúdos e páginas, o desenvolvedor web usa os conceitos apontados pelo designer para construir os códigos e transformar tudo no site propriamente dito.Claro que, nos dias de hoje, é possível encontrar profissionais que contemplam as duas expertises, mas em teoria, o web designer não atua com a construção dos códigos, enquanto o web developer não precisa, necessariamente, ter habilidades de design, ou entender de teoria das cores e identidade visual, por exemplo.Quanto ganha um Web Developer?Não basta entender qual a atividade dessa carreira, também é preciso ficar de olho nos ganhos, certo? O salário vai depender da atuação profissional, já que os desenvolvedores podem ser encontrados trabalhando em pequenas, médias e até grandes corporações, além dos que decidem atuar de maneira autônoma, ou seja, como freelancers.Pesquisando pelos sites das principais empresas especializadas em carreira do país, é possível verificar que, em média, um desenvolvedor web em São Paulo ganha em torno de R$ 3.870 por mês, mas também há salários que podem chegar a R$ 9 mil mensais. Para os freelancers, vale lembrar que quanto mais experiência na área, maior a possibilidade de ir definindo seu próprio preço!Quero ser Web Developer: por onde começar?Não é nem preciso falar que uma profissão baseada em códigos e linguagens complexas exige muito estudo e dedicação, certo? Mas se você gostou do que leu e está buscando iniciar sua carreira como desenvolvedor web, saiba que esta é uma excelente escolha!Tudo começa, claro, com a busca por um curso para aprendizado e aperfeiçoamento das habilidades. A Digital House oferece três cursos na área: Desenvolvimento Full-Stack, Desenvolvimento Mobile Android e Desenvolvimento Mobile IOS. E se você não tem experiência nenhuma nessas áreas, tudo bem: a escola ajuda na sua formação, para que você aprenda a programar do zero e construa uma carreira de sucesso!Depois de aprender as bases, você provavelmente entenderá quais linguagens mais adequadas para o aperfeiçoamento, quais você teve mais facilidade, essas coisas. Sem nunca esquecer que, como é uma carreira digital, tudo muda muito rapidamente, então o aprendizado constante é fundamental para que seu conhecimento não fique obsoleto.Leia também: Tudo o que você precisa saber para ser um programador.Gostou das dicas? Prepare-se para começar sua carreira no mundo dos códigos e desenvolvimento de páginas e boa sorte na sua trajetória profissional!