12 de Junho de 2018
Mercado de Trabalho

Designers UX que programam: e por que eles estão se tornando o futuro do mercado

Criação e lógica podem sim andar juntas e criar projetos ainda mais brilhantes e eficientes para os usuários de interfaces digitais.

Muitos designers que trabalham com interfaces digitais estão começando a expandir seus limites como criadores e aprendendo habilidades antes restritas apenas aos programadores. E essas habilidades de entender e escrever códigos só estão trazendo benefícios para os projetos em que estão envolvidos.

Durante muito tempo, designers de UX criavam layouts que poderiam se tornar um verdadeiro pesadelo para serem programados ou que, mesmo que não apresentassem esse desafio, acabam não tendo o refinamento visual quando enfim eram colocados em prática.

Para evitar que isso acontecesse, muitos profissionais de criação começaram a se aventurar no mundo dos códigos, se alfabetizando nas principais linguagens de programação para entender como os seus projetos se tornariam viáveis do lado de lá das suas entregas, criando protótipos realmente funcionais.

Essas habilidades têm transformado o mercado e criado uma nova leva de designers UX que entendem que código e visual andam sempre juntos.

Mas, afinal, por que eu deveria aprender a programar?

Quando falamos de designers que programam não estamos sugerindo que você, profissional de UX, foque sua carreira em desbravar cada linguagem existente do mundo da programação. No entanto, entender o funcionamento, e por isso usamos o termo se alfabetizar, das principais linguagens que impactam diretamente o desenvolvimento front-end podem ser fundamentais, como HTML e CSS, além de, é claro, algumas noções gerais de back-end.

Esse conhecimento básico pode diminuir enormemente o número de falhas do seu projeto criativo e abrir um canal de diálogo bastante vantajoso com a equipe de programação. O mercado já está dando sinais de busca por profissionais que sejam capazes de gerenciar projetos, se relacionar com equipes de outros departamentos da empresa, e que não sejam apenas especialistas naquilo que fazem bem, mas que tenham bons conhecimentos gerais de sua área de atuação. E sair na frente nesse momento complicado de empregabilidade é, por si só, fator fundamental.

Essa nova geração de designers UX está entregando projetos de interfaces com muito mais qualidade, que entendem desde o conceito criativo por trás do protótipo, os passos para o seu desenvolvimento, até a entrega final para o usuário. Os erros de projeto diminuem, o relacionamento com a equipe de programadores melhora, e o tempo de refação diminui consideravelmente. Se achou pouco, aqui contamos em detalhes as 9 razões para se aprender programação.

Afinal, se um designer UX é responsável pela experiência final do usuário com sua interface, não é nenhuma surpresa que ele seja capaz de controlar o processo inteiro de criação, do visual, ao modo como aquela interface se comporta.

Boa notícia para os designers UX que ainda não programam

Se você se enquadra no grupo de profissionais de UX que ainda se sente inseguro em adentrar o mundo do código, fique tranquilo: o que o mercado espera de você, como designer, é exatamente isso: saber programar design. As linguagens de front-end são fáceis e rápidas de aprender, possuem diversas ferramentas que agilizam os testes de código, e você poderá ganhar novas habilidades em um tempo muito curto, fora do seu horário de trabalho.

Experimente! Conheça os cursos da Digital House.