MENU

| BR

Campus

Programação

Marketing

UX

Dados

Negócios

Paises

Programadores que entendem de UX destacam-se no mercado

Programadores que entendem de UX destacam-se no mercado
ux
19 de julho de 2018
  -  
-min de leitura


Programação e design tendem a ser vistas como disciplinas alheias uma à outra, mas a verdade é que os profissionais que conciliam as duas habilidades ganham cada vez mais espaço. Esse é apenas um dos motivos pelos quais um bom programador deve aprender User Experience (UX). Como explica a coordenadora do curso de UX da Digital House, Amyris Fernandez, é preciso entender que programadores e designers não estão de um ou do outro lado do barco. Estão no mesmo barco e, portanto, devem remar juntos. A seguir, você confere boas razões para qualquer programador aprender e aplicar os conceitos de UX em seus projetos.

Torne o seu produto acessível aos seus usuários

Antes mesmo de o termo UX ganhar vida própria, já na década de 1970, o avanço da computação impulsionou o criação do termo Human Computer Interaction (HCI). Como o nome sugere, o ponto de partida era aprimorar a interação humana com as máquinas a partir de melhorias que buscavam tornar as máquinas mais intuitivas e fáceis de usar. O termo mudou, evoluiu, mas a essência continua a mesma, só que agora, expandida para outros meios. Ou seja, o User Experience vai muito além de uma disciplina, é um meio de tornar a vida do usuário mais agradável, fácil e gerar bem estar. Como explica Amyris, é um mindset que tem no centro a preocupação com o cliente final. “Muitas pessoas de programação se preocupam com a linha do código, mas por outro lado, não se preocupam com o usuário final. E isso precisa mudar!”.

Foco no cliente aumenta a sua conversão

O poder está, literalmente, nas mãos dos clientes, que não têm, não querem e não precisam perder tempo. Um segundo perdido, uma falha são mais que suficientes para que ele perca o interesse. Usuários buscam por praticidade, agilidade, eficiência e é isso que o UX busca oferecer. O termo foi utilizado publicamente pela primeira vez por Don Norman, em 1993. Como arquiteto da experiência do usuário na Apple, Norman utilizou o conceito para integrar a usabilidade, a interface do produto e o design industrial com foco na interação máquina-homem, nos âmbitos físico e mental. Não é à toa que a Apple alcançou a relevância que tem hoje, não é mesmo? O termo está aprimorado, incluindo ramificações especializadas, como o User Interface Design (UI) focado na criação de interfaces amigáveis, e UX Strategy, sempre em busca de oferecer a melhor experiência ao cliente, podendo ser aplicado, portanto, para quase qualquer coisa. Sob o conceito de Customer Experience (CX), ele pode ir desde a arquitetura de uma casa ou a concepção de um carro, até o marketing de produtos e serviços, sendo o processo pelo qual as empresas buscam entender e melhorar o relacionamento com seus clientes.

O mercado o valoriza profissionais com boas noções de usabilidade

Se o UX é a ciência capaz de aproximar e fidelizar clientes, é fácil de entender por que os profissionais aptos a aplicá-lo têm se destacado. O estudo “Kleiner Perkins’s 2017 Internet Trends”, publicado pela consultoria KPCB, é uma prova disso. Segundo a publicação, grandes empresas de tecnologia como Amazon, Facebook e Google estão priorizando o design de suas plataformas. Em 2017 essas empresas aumentaram em 65% os times de design diminuindo a proporção entre programadores e designers. E você pode reunir os dois em um!

Economize recursos

Menos refações, menos perdas. Com o trabalho focado desde o princípio no cliente final, você diminui muito as chances de retrabalho e correções, o que, consequentemente, reduz a utilização do tempo dos funcionários envolvidos e, é claro, de orçamento para o projeto.

Consiga mais conversões

Quanto melhor a experiência do usuário, maiores as chances de conversão. Isso sem falar na grande parte das compras por impulso, em muito beneficiadas e até estimuladas por uma navegação otimizada, simples e rápida.

Fidelize clientes e ganhe recomendações

Experiências marcantes ficam na memória. Se o usuário teve uma boa experiência, há grandes chances de ele recomendar o serviço ou o produto para amigos e familiares. É o famoso boca a boca que nunca sai de moda, especialmente, em tempos de redes sociais, onde lhe dão ainda mais importância e alcance. O contrário, no entanto, também é válido. Uma experiência ruim pode não ter uma segunda chance e gerar uma propagação ruim sobre a sua marca.

Seja o profissional em “T”

Para Amyris, que buscou conhecimentos de programação quando já era uma profissional de UX, um bom profissional se forma ao longo do tempo. “Comece pelo que você é melhor e seja um especialista. Com o tempo, você vai solidificando e acumulando conhecimentos, transitando entre as diferentes especialidades, até ser também um generalista”, recomenda a profissional. Esse é o conhecido profissional em “T”, que transita muito bem entre as diferentes disciplinas, formando o traço horizontal, mas tem profundidade em uma delas, descendo o traço verticalmente.

UX na prática

Agora que você já entendeu a importância de estudar UX, seguem algumas dicas para começar hoje mesmo a colocar em prática o conceito:

Pense como um usuário

Você já viu até aqui que o usuário deve ser a razão de ser do seu trabalho, mas para isso, você precisa conhecê-lo. Por isso, pesquisar o mercado, a concorrência e o comportamento do consumidor é fundamental.

Invista em uma arquitetura de informações eficiente

A arquitetura de informação é um dos pilares de uma boa interface. Para isso, ela precisa ser organizada de forma que seja intuitiva para que usuário encontre o que busca com rapidez. Fazer um mapa é uma boa maneira de ver com mais clareza os percursos desenhados.

Insira gatilhos

Os gatilhos são como chamadas para uma ação e, por meio deles, você pode orientar os usuários para a tomada de decisão, destacando e convidando-o para o melhor caminho a ser seguido.

Avalie e melhore

A busca por melhoria deve ser constante e, para isso, você pode contar com uma série de ferramentas. Os testes A/B são os mais conhecidos quando se fala em UX. Eles disponibilizam versões de uma interface com variáveis diferentes para ver qual é mais eficiente perante o público. Análise de cliques, mapas de calor e tempo de leitura são outros parâmetros que podem ajudar a avaliar como tem sido a experiência do usuário em sua interface.

Conheça o curso da Digital House

A Digital House é um coding school cujo objetivo é formar os profissionais que o mercado precisa. Em cinco meses de aulas presenciais e foco na experiência prática, o curso vai te tornar apto a fazer testes de usabilidade e entender design do comportamento interativo. Ao término do curso você ainda poderá comprovar sua experiência por meio de um protótipo interativo de alta definição, incluindo o máximo das ferramentas e conceitos aprendidos em cada uma das etapas do processo. Pronto para se destacar no mercado ficando um passo à frente? Conheça o programa do curso.

Outras notícias

9 dicas de SEO para seu e-commerce  img
mkt

9 dicas de SEO para seu e-commerce

Quando você vai vender pela internet, os anúncios não devem ser a única estratégia utilizada. Isso porque, de acordo com uma pesquisa do site Search Engine Land, 70 a 80% dos usuários ignoram os anúncios na hora que fazem uma busca no Google. Nesse cenário, é fundamental investir em SEO para e-commerce.Seja para quem está pensando em criar uma loja virtual ou para quem já tem um e-commerce, preparamos algumas dicas para otimizar seu site para buscas orgânicas. Pronto para começar?1 - Planeje as palavras-chave que vai usarVocê deve usar palavras-chave que estejam relacionadas aos produtos que vai vender, é claro. Mas, muitas vezes, apenas sua intuição não basta. Então, é preciso se planejar para saber quais usar.Se você está pensando em usar palavras-chave genéricas, lembre-se que há gigantes do varejo que vão ranquear melhor nas buscas para essas head tails. Infelizmente, as chances de você ficar melhor colocado do que sites como Amazon, Americanas e afins é pequena para essas palavras, mas você pode fazer um estudo para ver que outras palavras relacionadas às principais podem servir para seu negócio.Existem algumas ferramentas que podem te ajudar nessa tarefa. O próprio Google tem um Planejador de Palavras-Chave dentro da plataforma do Google Ads que você pode utilizar gratuitamente.Nele, você insere as palavras-chave mais genéricas e ele vai te dar insights sobre que outros termos também são pesquisados pelos usuários.Por exemplo, você pode estar querendo usar a palavra-chave “camiseta”. Imagine só quantos sites devem ranquear melhor para essa keyword? Você pode experimentar long tails, ou seja, termos mais longos e específicos. Ao invés de “camiseta”, pode tentar “comprar camisetas femininas personalizadas”.Além do Google, existem outras ferramentas gratuitas que podem te ajudar nessa tarefa de entender quais palavras-chave podem ser interessantes para seu negócio. Elas também mostram o volume de buscas de cada uma delas e qual a dificuldade para ficar bem classificado em uma pesquisa daquele termo específico.O site Ubersuggest tem essas funcionalidades grátis. O SEMRush é pago, mas tem uma versão gratuita limitada — uma freemium. Já o Ahrefs é uma ferramenta paga que também te ajuda a planejar suas palavras-chave.Além das próprias palavras, você pode pesquisar pelo domínio do seu próprio site ou dos seus concorrentes. Essa busca vai te mostrar para quais palavras-chave cada um dos endereços aparece nos resultados do Google e também pode te dar boas ideias.Organizando as palavras-chave no seu e-commerceUma vez escolhidas quais palavras-chave você vai usar, é hora de inclui-las nas suas páginas. Em todas as páginas? Sim, em todas elas. Realmente, isso pode dar um trabalhão se seu site tiver muitas categorias e produtos. Então, você pode começar pelas mais importantes, ou seja, as que recebem mais visitas ou que te rendem mais conversões.As palavras-chave devem ser usadas com contexto nas páginas e precisam constar nos títulos, descrições e na URL de cada uma delas. Outro ponto importante para levar em consideração é o de não usar o mesmo termo em páginas diferentes. Isso evita a canibalização das keywords, ou seja, que elas compitam entre si para ranquear melhor nas buscas do Google.2 - Crie conteúdo original e relevante nas descriçõesAs descrições das suas categorias e produtos devem ser o mais completas possível. Nelas, devem constar as palavras-chaves que você definiu para seu negócio. Isso vai ajudar tanto seus clientes a identificarem quais as características dos artigos que você vende quanto os robôs do Google a entenderem sobre o que aquela página está falando.Evite copiar as descrições dos fabricantes dos produtos que você vende ou de concorrentes. Se o Google identifica a cópia, seu site pode ser penalizado e isso prejudica a classificação nas pesquisas. Escreva com suas palavras, de forma completa, mas sem encher linguiça!Escreva para pessoasEm 2015, o Google lançou uma atualização em suas formas de analisar as páginas da web chamada RankBrain. Esse nome se refere a um algoritmo de inteligência artificial que identifica quais conteúdos são mais interessantes para determinadas buscas dos usuários. Ele faz isso, entre outras coisas, a partir do comportamento das pessoas nos sites. Então, se as pessoas estão passando mais tempo no seu site, isso vai contar pontos para você!Para que as pessoas se interessem pelo seu site, ele precisa ser amigável. Entre outras coisas, isso significa que não adianta escrever descrições supercompletas e com as palavras-chave, mas que não sejam compreensíveis para seus clientes!Uma boa forma de testar se as descrições estão boas é pedir para amigos e parentes navegarem pelo seu e-commerce e darem a opinião deles. Assim, você consegue ter um feedback de outras pessoas para saber o que melhorar.3 - Faça link buildingOutro fator que auxilia no SEO é ter outros sites gerando links para o seu. Se você fizer essa troca de links em um volume muito grande, o Google pode identificar como spam. E, atenção, se você topar com alguma venda de links, caia fora! O que você vai fazer é entrar em contato com blogueiros para fazer essa troca de links quando fizer sentido. Normalmente, outros sites não gostam de linkar diretamente para páginas de marcas ou produtos. Mas não desanime, existem outras formas de fazer isso!Crie um blog do seu e-commerceOs veículos não gostam de linkar para páginas de produtos, mas, se você tiver conteúdos de qualidade, a chance de conseguir backlinks é maior. Quando você entrar em contato com os redatores e editores de outros sites, sugira a troca de links do seu blog com o deles para os conteúdos que forem complementares.Escreva conteúdo para outros blogsIndependentemente se você tiver um blog da sua marca ou não, pode entrar em contato com outros veículos para propor uma parceria de conteúdo. Você pode se oferecer para escrever um guest post para o outro blog sobre um assunto que domine por causa do seu negócio e, nesse conteúdo, inserir links para o seu site.Se você tiver um blog, pode oferecer que o parceiro escreva um artigo para seu site também. Assim, além de oferecer uma contrapartida, você terá mais conteúdo para seus clientes no seu blog.Sites de fornecedoresOutros espaços onde você pode conseguir links para sua loja virtual é no site de fornecedores. Sabe a seção “onde encontrar” em que são listadas lojas que vendem aquele produto? Se você vender algo daquela marca, pode entrar em contato para ter seu link incluído ali.4 - Utilize URLs amigáveisOutro fator fundamental do SEO para e-commerce é ter URLs amigáveis. Isso significa que você deve evitar endereços de páginas muito longos e cheios de letras e números desconexos.Ao invés disso, utilize as URLs mais curtas possíveis, que sejam facilmente identificáveis pelos usuários e pelos robôs do Google e que contenham a palavra-chave da página. Use hífens para separar as palavras e evite parametrizar os links quando possível.Muito difícil? Trazemos aqui alguns exemplos de como organizar suas URLs:Página de categoria: seudomínio.com.br/nome-da-categoriaPágina de subcategoria: seudomínio.com.br/nome-da-categoria/nome-da-subcategoriaPágina de produto: seudomínio.com.br/nome-da-categoria/nome-da-subcategoria/nome-do-produto5 - Tenha um sitemap otimizado para navegaçãoSitemap é a estrutura do seu site, com as páginas que estarão elencadas no menu:A ideia aqui é tornar a navegação fácil tanto para o usuário quanto para os robôs que analisam seu site. Lembra do RankBrain, utilizado pelo Google para entender se os sites apresentam aquilo que as pessoas estão buscando? Se os clientes acharem difícil navegar pelo seu e-commerce, a chance de desistirem é grande. O tempo de permanência deles vai ser baixo e o Google vai entender que seu site não entrega aquilo que as pessoas estão buscando. Assim, sua classificação nos resultados de pesquisa piora.Uma forma de tentar simplificar a navegação é deixar todas as páginas do seu site acessíveis em até três cliques a partir da home. Para e-commerces menores, essa é uma tarefa mais fácil.Se sua loja virtual já tem mais páginas, tente usar a lógica para aquelas páginas mais importantes. Você pode considerar as mais relevantes de acordo com o número de visitantes ou de conversões.6 - Tenha uma boa landing pageSeguindo a mesma lógica de manter os clientes em seu site, sua página inicial e as landing pages de campanhas devem ser atrativas e ter fácil navegação. Leve isso em consideração na hora de executar sua estratégia de SEO para e-commerce.Um primeiro problema a ser evitado é a demora para carregar as páginas. Tente se lembrar de quando entrou em um site que demorou muito tempo para exibir todas as funcionalidades. Você esperou que ele carregasse ou foi buscar o que queria em outro lugar?Para evitar que a página fique pesada, não coloque todos os seus produtos na home. Ter muitas imagens vai torná-la mais complexa e aumentar o tempo de carregamento. Limite-se a 15 produtos, no máximo, na página inicial.Além de carregar rápido, suas landing pages precisam sinalizar bem as categorias dos seus produtos. Lembre-se da dica anterior, sobre o sitemap, para facilitar a navegação dos seus clientes.7 - Tenha um e-commerce otimizado para celularTambém em 2015, o Google lançou uma atualização no algoritmo que analisa os sites e leva em consideração se eles estão otimizados para smartphones. O Mobilegeddon, como ficou conhecida essa atualização, ranqueia primeiro os sites que, além de todos os outros requisitos do SEO, têm uma boa navegação em dispositivos móveis.Tendo isso em vista, é bom testar sua loja virtual em celulares. De acordo com uma pesquisa da empresa Compre&Confie, em 2018, 43% das compras online foram feitas por dispositivos móveis.Portanto, é bom que o carregamento das páginas seja rápido, a exibição dos produtos tenha qualidade e o processo de checkout seja simples para ser feito pelo celular.Tenha sempre em mente que o Google observa como os usuários se comportam no seu site. Quanto mais tempo eles passam ali, maior a percepção dos robôs de que aquelas são boas páginas.8 - Cadastre sua loja virtual no Google Search ConsoleApesar de julgar o tempo todo a qualidade dos sites, o Google disponibiliza algumas ferramentas gratuitas para te ajudar a melhorar seus resultados em buscas orgânicas. Uma delas é o Search Console.Ao cadastrar seu domínio no Google Search Console, você obtém diagnósticos e pontos de melhoria no seu site. Para muitos desses aspectos, é possível que você precise da ajuda de um programador ou webdesigner, mas, para outros, você consegue resolver sozinho.O primeiro passo para conseguir melhorar é identificar os erros. E, nesse aspecto, o Search Console é um ótimo aliado.9 - Se você também tem loja física, cadastre-a no Google Meu NegócioEssa é uma dica bônus para quem, além da loja virtual, tem um ponto físico. Sabe quando você pesquisa um estabelecimento no Google e aparece uma coluna do lado direito com o endereço, horários de funcionamento e várias outras informações?Isso acontece porque aquele estabelecimento está cadastrado no Google Meu Negócio.O cadastro na plataforma é gratuito e essa é mais uma forma de você estar presente de forma orgânica nas buscas do Google. Além disso, você facilita o acesso dos clientes a informações sobre sua loja física.Muitas das dicas de SEO para e-commerce são as mesmas que para sites de outras naturezas. No entanto, se você levar em conta as especificidades da loja virtual, vai melhorar seu ranqueamento nas buscas orgânicas e aumentar o tráfego no seu site. Pronto para começar o trabalho de otimização?Texto desenvolvido por Victoria Salemi, editora responsável pelas parcerias de conteúdo da Nuvemshop, a maior plataforma de e-commerce da América Latina em lojas ativas. Formada em Jornalismo, ama escrever e tornar assuntos complicados acessíveis a todos!

Recrutamento digital: 6 tendências para sintonizar seu RH com a tecnologia img
carreira

Recrutamento digital: 6 tendências para sintonizar seu RH com a tecnologia

Sabemos que o setor de RH mudou muito: está mais ágil, estratégico e digital — tudo para acompanhar o ritmo do mercado.Da mesma forma, o recrutamento e a seleção também evoluíram do offline para o online, aproveitando todas as facilidades que a internet oferece.Então, que tal automatizar sua triagem de currículos, usar o poder dos dados para selecionar candidatos e preencher suas vagas 100% online?Tudo isso é possível com as tendências de recrutamento digital que você vai conhecer agora.Vamos às novidades?Siga a leitura.O que é recrutamento digitalO recrutamento digital é uma estratégia de RH que utiliza o poder dos dados e da conectividade para encontrar, atrair e selecionar candidatos de forma mais rápida, barata e precisa.Ou seja: é o processo seletivo tradicional turbinado pelas ferramentas do online, que facilitam o trabalho de conexão com os melhores talentos do mercado.Graças à tecnologia, o profissional de RH não precisa mais investir seu tempo em tarefas manuais e repetitivas, como eliminar currículos com base em parâmetros de formação dos candidatos.Com o recrutamento digital, a parte operacional do trabalho é reduzida ao máximo, e o RH amplia sua atuação estratégica.6 tendências do recrutamento digitalOs avanços tecnológicos ditam a evolução do recrutamento digital, que promete agilizar a rotina do RH e tornar o processo cada vez mais inteligente. Considerando que 77% dos brasileiros já procuraram emprego na internet, segundo dados do Ibope Conecta, de 2018, as tendências a seguir devem se aprofundar rapidamente. 1. Social RecruitingPara além dos tradicionais sites de vagas, há um universo de candidatos a ser explorado nas mídias sociais mais populares.Por isso, o social recruiting, ou recrutamento social, é uma das tendências mais importantes dos nossos tempos.Muito mais do que postar suas vagas nas redes sociais da empresa, você pode fazer buscas avançadas por candidatos no LinkedIn, nutrir relacionamentos no Facebook e engajar candidatos no Instagram. De acordo com uma pesquisa de 2018 da Talent Lyft, 94% dos recrutadores entrevistados planeja usar as mídias sociais no recrutamento, enquanto quase metade (49%) dos que já utilizam constataram uma melhora na qualidade dos candidatos. 2. Inbound RecruitingVocê já deve ter ouvido falar no marketing de recrutamento, que consiste em usar as técnicas de promoção e divulgação do marketing para recrutar candidatos.Quando evoluímos essa ideia para o marketing digital, chegamos ao inbound recruiting: a metodologia de marketing de atração aplicada ao R&S.Na prática, significa atrair talentos ao invés de correr atrás deles na web, criando conteúdos relevantes e criando proximidade com os candidatos.  3. Employer brandingNa mesma lógica de atratividade de talentos, temos o employer branding como tendência generalizada de recrutamento online.Considerando que 75% dos profissionais avaliam a reputação da empresa como empregadora antes de se candidatar a uma vaga, segundo um estudo de 2018 do LinkedIn, é melhor garantir sua reputação na internet.Afinal, os talentos vão buscar informações no seu site de carreiras, em redes sociais e em sites como o Glassdoor — e quanto melhor a impressão, maiores as chances de ter bons candidatos.  4. CRM (Candidate Relationship Management)Da mesma forma que a empresa gerencia seu relacionamento com os clientes, também deve manter contato com seus futuros talentos. Para isso, existem as ferramentas de CRM (Candidate Relationship Management), que permitem automatizar e-mails durante o processo seletivo e oferecer feedbacks imediatos aos seus candidatos.Assim, você garante o vínculo com os profissionais e facilita a comunicação no recrutamento e seleção. 5. Applicant Tracking System (ATS) com IAO Applicant Tracking System (ATS) é um software completo para gestão do recrutamento, que segue em alta no RH e vem ganhando novas funcionalidades. Hoje, a grande aposta é nos ATS com inteligência artificial, que permitem realizar a triagem de candidatos de forma automática e cruzar dados para combinar os perfis às vagas.Para isso, esses sistemas utilizam algoritmos poderosos para selecionar os melhores candidatos de acordo com os critérios da posição, agilizando o processo seletivo com o máximo de precisão. 5. Marketplace de talentosOutra tendência em destaque no recrutamento digital é o marketplace de talentos, que consiste em uma plataforma que conecta profissionais às empresas.Essas plataformas combinam tecnologias como inteligência artificial, Big Data e machine learning para pré-selecionar candidatos e encontrar combinações perfeitas entre profissionais e vagas. Dessa forma, é possível agilizar as contratações e concluir processos seletivos com muito mais rapidez e economia. 6. ChatbotsNa onda de automação do relacionamento com os candidatos, os chatbots (robôs de conversação) já estão sendo usados para manter a comunicação no processo seletivo.Esses sistemas movidos a inteligência artificial e programados para dar respostas prontas são muito úteis para:- Informar candidatos sobre o status do processo- Enviar mensagens de confirmação e feedback- Agendar entrevistas e testes- Realizar triagens iniciais com perguntas estratégicas.Já imaginou ter um chatbot como assistente virtual para acelerar seu processo seletivo? Fique por dentro das tendências do recrutamento digitalSe você quer ficar por dentro das tendências do recrutamento digital e revolucionar seu RH, já pode escolher quais tecnologias se adaptam à sua realidade.Felizmente, contamos com empresas inovadoras focadas em soluções digitais para o RH: as HR techs.Essas startups se dedicam a criar ferramentas e sistemas sob medida para agilizar seu recrutamento e seleção, desde a busca por candidatos até a contratação. Para conhecer melhor esse mercado e suas soluções, você pode baixar gratuitamente o e-book HR Tech: O que isso significa para você?, produzido pela Revelo. E se toda essa revolução tecnológica ainda não está tão clara para você — ou se você quer se aprofundar mais no assunto antes de arriscar um investimento —, vale a pena realizar o Curso de Gestão de RH Digital da Digital House.Nele, você vai aprender tudo sobre as ferramentas de recrutamento digital, além de estratégias de people analytics, marketing digital e employer branding. Pronto, você já tem todo o conhecimento e ferramentas de que precisa: agora é só acelerar seu RH rumo à cultura digital.Texto desenvolvido por: Mayara Toyama, do time de conteúdo da Revelo. A Revelo é uma HR Tech que utiliza Inteligência Artificial para inverter o esquema de recrutamento. Dentro da sua plataforma, não são os candidatos que buscam pelas empresas, mas as empresas que têm acesso aos talentos de carreiras como: design, marketing digital, BI, finanças, engenheiros de software e negócios.

SEO: conceito, importância e estratégias img
mkt

SEO: conceito, importância e estratégias

Quantas vezes por dia você recorre ao Google para te dar alguma resposta sobre a vida, o universo e tudo mais? Plataformas e mecanismos de busca são as enciclopédias modernas (alguém ainda sabe o que é uma Barsa?) e nós fazemos uso deles com tanta frequência que nem notamos mais.Mas o Google não está interessado em somente dar respostas, ele quer fornecer as melhores respostas. E é nesse cenário que aparece o SEO. A sigla significa Search Engine Optimization, ou em tradução livre otimização de mecanismo de busca.Existe uma série de regras em cada mecanismo de busca para ajudá-los a encontrar os resultados mais certeiros, completos e com autoridade.Esse conjunto de critérios se traduz em técnicas que são utlizadas em blogs, sites e outras páginas na web para garantir que o conteúdo seja considerado relevante e, consequentemente, ganhe um bom rankeamento orgânico.Traduzindo de uma forma bastante simples: um site que segue todas as regras determinadas pelos mecanismos de busca tem mais chances de aparecer na primeira página de resultados.E seja honesto, quantas vezes você foi além da página 1 ou 2? A verdade é que 90% dos usuários do Google clicam apenas em resultados que aparecem na primeira página.Dessa forma, fica mais fácil entender porque SEO é tão vital para uma estratégia de marketing de conteúdo digital e por que estar nas primeiras posições é uma ambição tão grande de tantas empresasOutra grande vantagem de aplicar técnicas de SEO em sua página é o fato de ser gratuito e garantir tráfego orgânico para seu site. Mas isso não significa que não existam investimentos importantes a serem feitos para garantir uma excelente estratégia de SEO, como em ferramentas e mão-de-obra qualificada.Importância do SEOUma estratégia de SEO consistente e bem desenhada confere visibilidade e autoridade para sua marca. Os mecanismos de busca compreendem que o seu conteúdo tem qualidade e também vem de uma fonte confiável, por isso o coloca entre os primeiros resultados.Isso reflete no tráfego do seu site, na geração de leads, em conversão e vendas, ou seja, retorno financeiro para sua empresa. Pesquisas indicam que 93% das compras online começam com uma palavra-chave em mecanismos de busca, por exemplo.EstratégiasA gama de estratégias para SEO é bem extensa e vai de ações mecânicas do dia a dia a questões técnicas e complexas. Nós vamos listar as mais conhecidas e aplicadas dentro do Marketing Digital.ConteúdoUm bom conteúdo, como já falamos aqui no texto sobre Inbound Marketing, é a chave para qualquer estratégia bem-sucedida de marketing digital. E o SEO é a fechadura. Quanto mais exclusivo for seu conteúdo, mais autoridade você ganhará, pois outros sites irão te citar como fonte (vamos falar mais sobre isso em Link Building).Os mecanismos de busca também conseguem identificar conteúdos bem escritos, com ritmo de leitura e boa densidade de palavras-chaves. Aliás, para blogs e sites, recomenda-se um mínimo de 600 palavras em um texto para ganhar uma boa posição em páginas de busca. Além do corpo do texto, outros elementos fazem parte do seu conteúdo: como o título e a descrição, os links internos e as heading tags dentro do seu texto. Veja abaixo outros elementos do conteúdo que fazem parte da sua estratégia SEO e merecem sua atenção:Títulos: O título do seu texto deve ser objetivo, curto e conter a palavra-chave designada para aquele texto. Mecanismos de busca consideram um conteúdo de qualidade quando ele também posui subtítulo e parte do texto com destaques em negrito, pois deixa a leitura mais dinâmica.Descrição: A descrição é aquilo que aparecerá no mecanismo de busca logo abaixo do título e do link, é um breve resumo do assunto do seu texto. Apesar de não ter interferir no rankeamento da sua página, ela influência na taxa de clique. Se for um resumo chamativo e com um Call-to-action, melhor ainda.URL: Os mecanismos de busca fazem uma varredura nos hiperlinks e na URL do seu site ou post em blog. Códigos e palavras sem sentido não são bem vistas, mas incluir a palavra-chave em um texto curto e descritivo é um tiro certeiro.Links internos: Os links internos não parecem ser muita valia porque geralmente direcionam para páginas fora do seu site, certo? Errado. Eles auxiliam os motores de busca a entenderem em qual gama de asuntos seu blog se encontra e com quais sites ele se relaciona. O texto âncora, ou seja, a palavra ou frase que irá receber o link precisa de atenção: frases genéricas não melhoram seu rankeamento da mesma forma que palavras-chave primárias e secundárias.Heading Tags: Dentro do texto, as heading tags (H1, H2, H3) ajudam os robôs dos mecanismos de buscas a ordenarem o conteúdo em estrutura lógica que vai do mais importante (H1) ao menos importante (H3).Link buildingNós já falamos extensivamente de Link Building em um outro artigo do nosso blog, mas sempre vale a pena reforçar sua importância para uma estratégia bem-sucedida de SEO.Fazendo uma rápida recapitulação: links contam como votos para mecanismos de busca e quanto mais votos seu site tiver, ou seja, quanto mais pessoas incluírem seu link em suas páginas, mais votos você tem.O Google também leva em consideração a qualidade dos votos, então os sites que fazem referência ao seu também precisam de um bom rankeamento na plataforma. NavegaçãoSEO vai muito além de conteúdo e palavras-chaves, também tem a ver com a estrutura do seu site. De nada adianta ter o melhor texto com as melhores keywords se seu site não posui alguns requisitos básicos que garantem uma navegação segura e prazeirosa para o usuário.Velocidade: uma página leve carrega mais rápido do que uma página repleta de gráficos complexos, animações e vídeos. E seus usuários querem uma página que seja mais leve que uma pena. E os mecanismos de busca também.Segurança HTTPS: Um dos maiores focos do Google é segurança na navegação dos usuários e o HTTPS se tornou um fator de rankeamento em 2014. Isso faz com que os dados enviados pelo seu site sejam autenticados e criptografados.Sitemap: O sitemap, como o nome diz, é um mapa do seu site que auxilia os mecanismos de busca a entenderem como seu site e sua estrutura funcionam.Site responsivo: Poucas experiências são mais desagradáveis para um usuário que entrar pelo celular em um site que não tem uma versão mobile ou que não é responsivo. Com o crescimento exponencial de acessos em sites e mecanismos de busca por meio de smartphones é vital ter um site responsivo.UXExperiência do usuário tem tudo a ver com estratégia SEO já que tudo o que está listado acima é usado não só para conseguir um bom rankeamento em mecanismos de busca, mas também para que o visitante do seu site tenha uma passagem agradável pelo seu conteúdo.Aqui entram as métricas e análises do seu site e também as taxas de acessos orgânicos (uma das principais métricas para saber se sua estratégia de SEO está no caminho certo). Você pode reunir inúmeros dados relevantes como taxa de rejeição, tempo de sessão, dados demográficos e assim por diante, com a ajuda de ferramentas como Google Analytics.Palavras-chaveA primeira coisa que vem à mente quando começamos a falar sobre SEO são as palavras-chaves, então por que elas são o último item desta lista? Porque elas poderiam ganhar um artigo só para elas, tamanhas são as possibilidades.Todo o seu conteúdo e a sua estratégia irá girar em torno de uma palavra-chave principal. E escolher os conjuntos de palavras-chave do seu site é uma tarefa exigente.Comece entendendo quais são os assuntos que giram em torno do seu negócio e que podem gerar conteúdos. Crie um mapa mental com as principais palavras relacionadas a esses temas.Com o auxílio de ferramentas como SemRush, Moz, Palavras-chave do Google e outras faça uma pesquisa com essas palavras. A sua pesquisa retornará dados e análises sobre a utlização e o volume de busca dessas palavras e poderá sugerir correlatas.O próximo passo é entender o que você já tem trabalhando a seu favor. Através de análise de dados, entenda quais palavras-chave geram tráfego para sua empresa atualmente. Por exemplo, o nome do seu site com certeza é buscado e faz com que as pessoas cheguem até você.Não descarte essas informações coletadas, guarde-as para consulta no momento de criar novos conteúdos e mantenha um monitoramento ativo do posicionamento orgânico de seu site, acompanhando o desempenho de seus conteúdos e das palavras-chave selecionada.Criar uma estratégia SEO exige dedicação e compromisso, mas não é uma tarefa impossível. Ao implementar essas técnicas em sua página web, os resultados positivos serão inevitáveis.Quer saber mais sobre marketing digital, seus conceitos e estratégias? A Digital House oferece cursos para quem está procurando uma nova carreira digital, venha nos fazer uma visita e saber o que podemor fazer por você.