MENU

| BR

Campus

Programação

Marketing

UX

Dados

Negócios

Paises

Storytelling: conceito, importância e técnicas

Storytelling: conceito, importância e técnicas
mkt
11 de junho de 2019
  -  
-min de leitura

Como impactar o consumidor de maneira inesquecível? Tudo vai depender de como você vai contar essa história!


Você é um profissional em busca de soluções para deixar seu negócio mais cativante, para aumentar suas vendas. Sente que o mercado está com uma concorrência altíssima, onde é quase impossível encontrar uma brecha para chamar a atenção dos consumidores. Porém, você ouviu falar em storytelling e, mesmo com alguma resistência, ou desconfiança inicial, encontra aí uma possível mudança, uma maneira de superar esse desafio. A partir das técnicas aprendidas, você soluciona o seu problema, destaca sua marca e, assim, torna-se uma inspiração para outros profissionais ou outras empresas, que também buscarão informações sobre como contar boas história para trazer diferenciação, lucratividade e retornos positivos. Provavelmente, um cenário semelhante a esse foi o que fez você chegar até esse texto, certo? Então, é hora de aprender como fazer um conteúdo que gere identificação e que faça com que as pessoas não esqueçam da sua marca!

O que é Storytelling?

Storytelling é uma palavra que, traduzida do inglês, significa literalmente “contar histórias”. Ou seja, para começo de conversa, não tem nada de muito novo nesse conceito, pois contar uma história é um dos jeitos mais antigos de se transmitir uma informação. Basta lembrar daqueles desenhos sequenciais em paredes de cavernas, feitos antes mesmo da invenção da escrita. É a estratégia de envolver o público por meio de uma conexão emocional, transmitindo mensagens com personagens, cenários e situações de conflito, como nos filmes e nos livros, para que essas sejam inesquecíveis. O conceito é bastante abordado no Marketing Digital, mas vale para todas as áreas.

Qual a importância do storytelling?

Num mundo com excesso de informação, é natural que as pessoas precisem escolher um foco de atenção. E se sua marca não consegue engajar, você perde espaço quem está sabendo contar boas histórias e captando esse interesse. O storytelling é uma maneira de prender a atenção, de fazer o consumidor olhar para sua marca e para o que você oferece sem a necessidade dos apelos publicitários, o quais já sabemos que não funcionam mais. Afinal, se a pessoa toma a decisão de pular o anúncio no Youtube, é porque ela tem o interesse no conteúdo do vídeo que escolheu assistir, e não à publicidade. Ou seja, o anúncio, quando feito sem um bom storytelling, gera falta de interesse, e é preciso falar da marca de maneira mais cativante.

Muito fácil, na teoria. Mas como isso se desenvolve na prática?

À primeira vista, parece que falamos apenas de grandes produções com orçamentos altíssimos. Porém, tudo é uma questão de gerenciar bem suas comunicações. Afinal, nem todo conteúdo precisa ser focado em vendas, pois nem todo consumidor está em momento de compra. Tudo começa com o entendimento do seu público: suas dores, necessidades, desejos, objetivos… Informações que são pensadas no início de uma estratégia de marca, na definição das buyer personas. Quando a marca entende o que seu público precisa, fica mais fácil construir um relacionamento. Também é importante considerar os principais elementos de um storytelling: é preciso um personagem, um cenário, um conflito e uma mensagem que se refere à resolução daquele conflito. Lembra da história contada no início desse texto? Retorne à introdução e veja como esses elementos estão inclusos lá! Quer um exemplo prático e sem a necessidade de criar um roteiro cinematográfico? Que tal criar um conteúdo que aborde histórias de sucesso e depoimentos reais de clientes? Para alguém que esteja na etapa de Consideração de Marca, pode ser algo que vai gerar identificação e facilite a tomada de decisão para compra.

Jornada do Herói: uma técnica de como fazer storytelling

Existem vários exemplos de storytelling, mas um dos modelos mais usados vem de um livro chamado "O Herói de Mil Faces", de Joseph Campbell. No livro, o autor mostra que existe um padrão de roteiros em histórias do cinema e na literatura. Basicamente, as narrativas são feitas por meio das seguintes etapas:
  • Tudo começa com uma vida tranquila e comum do personagem principal da história
  • Há um chamado para uma aventura, levando o personagem para um desafio
  • O personagem resiste ao chamado
  • Um mentor ou uma situação acontece para ajudar, fazendo com que o personagem aceite a missão
  • O personagem encontra barreiras e obstáculos no seu caminho, superando-se pouco a pouco
  • Chega  o momento do último grande desafio, onde o personagem vive seu auge de superação
  • Após a aventura, o personagem volta à vida normal, inspirando as pessoas ao seu redor
Vamos retornar para o início desse texto, mais uma vez? Veja se a narrativa não se assemelha! Uma história feita nesses moldes pode definir tanto um filme da Pixar, quanto sua decisão de emagrecer uns quilinhos! Faça o teste! Por mais que existam técnicas de storytelling, livros e muitas teorias, não dá para considerar que exista uma “fórmula perfeita”. O mais importante é que você entenda bem o seu negócio e seu público, pois só assim você conseguirá criar uma conexão emocional e entregará conteúdos atrativos para conquistar um consumidor fiel e apaixonado pela sua marca.

Outras notícias

O trabalho flexível veio para ficar img
carreira

O trabalho flexível veio para ficar

Você já ouviu falar em trabalho flexível? É uma nova forma de se relacionar com trabalho, que não gira em torno de bater ponto, mas sim de produtividade. E hoje, para ser uma empresa atraente e um profissional desejado, é preciso entender por que o trabalho flexível é tão importante. Profissionais não só acreditam que são mais produtivos em um trabalho flexível, como consideram esse um fator de desempate na hora de escolher uma nova empresa. As afirmações são resultado de uma pesquisa da Internacional Workplace Group (IWG) realizada no começo de 2019.A pesquisa, feita com 15 mil profissionais entre diretores, funcionários, consultores e empreendedores de 80 países, mostra que 83% desse grupo considera a flexibilidade no trabalho um fator decisivo para escolher uma proposta de emprego. Outros 85% notaram um aumento na própria produtividade quando aderiram ao novo modelo de trabalho.E não é difícil imaginar o motivo por trás desses resultados. A relação com trabalho mudou e profissionais buscam cada vez mais manter um equilíbrio saudável entre vida pessoal e trabalho. Qualidade de vida, de acordo com dados da IWG, é a principal motivação para buscar um trabalho flexível.Funcionários querem tempo para buscar ou levar os filhos na escola, almoçar em casa, ir ao banco ou a consultas médicas, gastar menos tempo e dinheiro com descolamento. Tudo isso sem causar desgaste e estresse com superiores e outros colegas de trabalho.Se você é empresário, não deixe seu negócio para trás e implemente formas de trabalho flexível, como o trabalho remoto, no dia a dia de seus funcionários.Como adotar o trabalho flexível na sua empresaO trabalho flexível pode ser adotado de diversas maneiras dentro de uma empresa. É possível oferecer a opção de home office alguns (não todos) dias da semana; o funcionário pode escolher o melhor horário para chegar; a empresa pode estabelecer uma quantidade mínima de horas a serem cumpridas presencialmente e deixar o funcionário auto gerenciar suas horas, entre outras possibilidades.Independentemente do modelo de trabalho flexível adotado, é preciso uma drástica mudança na cultura da empresa para ter sucesso. Em vez de focar em horas trabalhadas e em “ver seu funcionário trabalhando”, é preciso olhar para os resultados e as entregas. O que seu colaborador produz e a qualidade dessa produção devem ser mais importantes do que o horário em que ele bate o ponto. Benefícios para todosAo contrário do que alguns gestores podem acreditar (e pregar), adotar jornadas flexíveis diminui a quantidade de faltas e atrasos. Parece contraditório, mas o motivo é bem simples: os funcionários se sentem mais satisfeitos e, consequentemente, tornam-se mais engajados.Para a empresa, esse aumento de produtividade e engajamento gera resultados positivos no alcance de metas, desenvolvimento de novos projetos e, o mais importante, no saldo financeiro.Do outro lado, os funcionários se beneficiam com qualidade de vida, redução de estresse, equilíbrio entre vida profissional e pessoal. Se você é um profissional em busca do trabalho remoto dos seus sonhos, veja aqui algumas de nossas dicas.

Estratégias de Marketing Digital: descubra qual é a melhor para o seu negócio img
mkt

Estratégias de Marketing Digital: descubra qual é a melhor para o seu negócio

Se uma empresa não estiver presente no digital, ela corre um grande risco de sair perdendo na corrida do mercado. Felizmente, os investimentos em Marketing Digital deixaram de ser vistos como um custo supérfluo, ou como aquela atividade que poderia ser feita pelo sobrinho “fera em redes sociais”. Brincadeiras à parte, já entendemos que atuar no meio digital é coisa séria.No entanto, são tantas as estratégias existentes que, com certeza, deve ser complicado decidir por onde começar. O fato é que, antes de mais nada, para entender qual o melhor caminho a seguir e criar uma estratégia eficaz para as necessidades da marca, é preciso ter uma clara compreensão do negócio, do produto ou serviço e do público. Ainda assim, são tantas frentes e tantos objetivos diferentes que vale trazer uma explicação da diferença de cada uma delas. Neste post, vamos mostrar 8 estratégias de Marketing Digital para você decidir qual (ou quais!) implementar para ontem!Inbound MarketingPara entender o Inbound Marketing, ou também conhecido como Marketing de Atração, vamos trazer um paralelo com o Marketing Tradicional, também conhecido como Outbound Marketing. Nele, a marca impacta novos clientes de maneira interruptiva, com campanhas publicitárias, anúncios em revistas, jornais e na TV, jingles que grudam feito chiclete na nossa mente, entre outros.Pois bem, ao invés de perseguir os clientes, o Inbound Marketing atrai, por meio de conteúdo de valor, experiências relevantes e mensagens não intrusivas. A base do Inbound é o conteúdo relevante e de qualidade, que ajudará a construir um relacionamento duradouro com o público interessado, despertando o interesse para que a conversão tenha valor agregado e o mesmo se torne fiel à marca.Marketing de ConteúdoMuita gente pensa que Marketing de Conteúdo e o Marketing de Atração são a mesma coisa. Uma estratégia de Inbound, que tem foco em vendas e conversão, só funciona se tiver uma boa estratégia de Conteúdo, que tem foco no relacionamento com o público.O Marketing de Conteúdo dissemina informações de caráter mais educacional, que nem sempre estão diretamente ligadas ao que a marca vende ou oferece. Atua-se, aqui, com territórios de conteúdo, ou seja, com temas que fazem sentido para a marca comunicar, mas sem entregar uma oferta de produto ou serviço diretamente.Um exemplo prático são as newsletters com dicas e notícias sobre o mercado de ações e como fazer seu dinheiro render mais, vindas de bancos de investimentos. A instituição não está, exatamente, trazendo ofertas de fundos de investimentos disponíveis na sua plataforma, mas está ajudando pessoas interessadas no assunto a ter maiores ganhos e trazendo informações valiosas para aprender a investir melhor.Social Media MarketingO marketing de redes sociais é uma maneira de ter ainda mais alcance da sua mensagem, atraindo e mantendo os seguidores. Com isso, espera-se o engajamento com a marca a ponto de gerar advogados de marca, ou seja, aquelas pessoas que são fiéis defensoras da marca, elogiando-a publicamente e ajudando a validar as mensagens divulgadas. Uma regra bastante conhecida para quem atua com estratégia de redes sociais é deixar de lado a formalidade. Para não errar no tom, é preciso saber conhecer as características e o papel de cada rede; só assim você garante que produzirá conteúdos relevantes de acordo com o canal. Aliás, no curso de Marketing Digital aqui da Digital House, há aulas específicas só sobre esse assunto. Fica a dica!E-mail MarketingDefinitivamente, fazer E-mail Marketing não é apenas disparar e-mails de forma desenfreada e sem métodos. A estratégia de relacionamento requer cuidado de entender e segmentar os públicos para que se enviem as mensagens certas, no momento certo e para as pessoas certas, para não cair em spam ou se tornar uma mensagem indesejada.É fundamental considerar a etapa do funil em que cada público está, para saber se será o momento de entregar uma mensagem de apresentação da marca, com um cupom de desconto, ou mesmo para pedir um feedback sobre o produto adquirido. Para isso, tenha dedicação e paciência, pois é preciso muito trabalho prévio antes do primeiro disparo. Porém, se bem feita, é uma estratégia de alto impacto e com grandes chances de conversão!SEOEssa sigla vem do inglês Search Engine Optimization, e é uma estratégia para otimização e melhor posicionamento nos mecanismos de busca, como no Google. Contempla critérios e técnicas para escrever no site, blogs e outras páginas da marca no digital, de maneira que o conteúdo seja considerado relevante o suficiente para aparecer nos primeiros resultados da busca.O resultado de uma estratégia bem feita, que contempla bom conteúdo, estruturação de heading tags, URLs, títulos e descrições, palavras-chave, experiência do usuário, entre outros, reflete positivamente no tráfego orgânico do site, no aumento dos leads e, claro, nas conversões.SEM e Social AdsEnquanto o SEO atua com posicionamento orgânico, o SEM (Search Engine Marketing) se refere à promoção por meio de anúncios pagos nas plataformas de busca e sites parceiros do Google. A combinação das duas estratégias resulta em ótimos resultados em curto, médio e longo prazo!Já a estratégia de Social Ads também fala sobre publicidade paga, mas dessa vez, para as redes sociais, como Facebook, Instagram, Twitter e Linkedin. Com o alcance orgânico cada vez mais baixo para as marcas nessas plataformas, fica inevitável não criar campanhas de Social Ads para amplificar e aumentar o alcance dos seus conteúdos.Video MarketingQueridinha da atualidade, a estratégia de Vídeo Marketing atua com o desenvolvimento de conteúdos por meios audiovisuais. Isso quer dizer que, ao invés de trabalhar com atração, conversão e retenção de clientes com conteúdo em texto, a marca pode utilizar vídeos para turbinar as mensagens de marca e encantar ainda mais os consumidores e prospects.Vale reforçar que vídeo também é uma forma de fazer Marketing de Conteúdo, claro. Só que, com uma mudança de mindset, onde se vê pessoas preferindo o vídeo ao texto, observa-se aí uma vantagem para buscar mais engajamento. E, dependendo do storytelling, pode ser visualmente mais atrativo e marcar o usuário!Marketing de InfluênciaQuando a marca atrela sua imagem a formadores de opinião, que podem comunicar benefícios de seus produtos e serviços de maneira mais leve, natural e espontânea, estamos falando de Marketing de Influência. Ela é uma das estratégias mais importantes do Marketing Digital, até porque já se sabe bem que é preferível ouvir opiniões de outras pessoas sobre um produto a contentar-se com a própria marca falando de si mesma.Vale ressaltar que, quando falamos de estratégia com influenciadores, não falamos de publicidade direta, com o influencer mostrando o produto na tela e fazendo merchan. A ideia é fazer conteúdo não intrusivo, em que o influenciador encontra uma maneira de contar uma história que insira sua marca no contexto, gerando consideração e credibilidade.Perceba que o leque de opções é enorme e, depois de conhecer um pouco sobre cada uma delas, reflita sobre quais se adequam à realidade da sua empresa hoje. Conheça seus pontos fortes e oportunidades e dedique um tempo para melhorar seu Marketing Digital. Você não vai se arrepender!

Marketing Viral: o que é, benefícios e como fazer img
mkt

Marketing Viral: o que é, benefícios e como fazer

É só mais um dia normal na sua vida. Você abriu seu Facebook e encontrou, no feed de notícias, um vídeo bastante interessante, que foi compartilhado por vários amigos. Você decide compartilhá-lo num dos seus grupos do whatsapp, mas o vídeo chegou antes, pois outra pessoa do grupo enviou antes! Quando menos se espera, parece que a internet inteira só fala nesse vídeo. E você só consegue se perguntar: como isso aconteceu tão rápido?Conteúdos com alta capacidade de se espalhar num curto espaço de tempo, tal qual um vírus. É disso que se trata o Marketing Viral. E a pergunta de um milhão de dólares na vida de todo o profissional de Marketing Digital é: “como criar um viral?”.Pois bem, não temos a fórmula mágica, mas temos algumas informações e dicas que podem te ajudar, se você ficou interessado no assunto!O que é Marketing ViralA palavra viral vem de vírus mesmo, pela natureza desse tipo de estratégia. Marketing Viral contempla uma série de técnicas para espalhar mensagens a um grande número de pessoas num tempo muito curto. Sabe o boca-a-boca da comunicação tradicional? Pois é semelhante a isso, mas com o uso da internet para fazer a comunicação.E, assim como o boca-a-boca, quem leva a mensagem de uma pessoa a outra é o próprio público. O que mostra que, quem faz o Marketing Viral é o público, e não a marca, pois são os receptores da mensagem que disseminarão a mensagem, seja curtindo, comentando, passando-a adiante, exatamente como o exemplo dado no início do texto.Por isso que entender o público e saber o tipo de conteúdo que mais o agrada é a peça chave para a “viralização”. Afinal, alguém aí compartilha algo que não gostou de ver (a não ser que seja uma notícia ruim, que gere indignação, claro)? A mensagem precisa ser cativante e trazer algo surpreendente e relevante para que seja distribuído de maneira espontânea pelas pessoas.Vantagens do Marketing ViralAlém dos “15 minutos de fama” que a empresa vai conquistar ao ter êxito numa estratégia como essa, existem ainda outras grandes vantagens no Marketing Viral que podem beneficiar a marca e que vão muito além das curtidas e compartilhamentos!A primeira delas é que o viral gera um grande alcance para a empresa, tornando-a mais conhecida. E reconhecimento de marca ajuda na credibilidade, fazendo com que as pessoas se sintam mais seguras e que os produtos e serviços oferecidos pela marca tenham mais aceitação no mercado. Pode ser o início de um relacionamento com novos consumidores!Outro ponto positivo é o baixo custo, já que a ideia de se criar algo “viral” é que a mensagem atue de maneira orgânica, ou seja, coloca-se um conteúdo no ar e o público é quem espalhará por aí, sem que a marca faça muito esforço para tal.E isso nos leva a uma outra vantagem para a empresa: esse é um tipo de conteúdo nada invasivo, o que é bom para a imagem da marca. Só é viral se a peça gerar interesse nas pessoas de maneira natural e espontânea. Lembre-se sempre que as pessoas só compartilham aquilo que gostam! E se você criar conteúdos que geram alto volume de visualizações, ponto para sua estratégia de Marketing!Existe uma fórmula para um conteúdo viralizar?Estratégia de baixo custo e alto alcance, com milhares de compartilhamentos espontâneos e sem muito esforço por parte da empresa. Bem, parece um mundo perfeito, não? Porém, não é exatamente qualquer conteúdo que se torna viral e não há uma fórmula mágica. Na realidade, a sorte acaba ganhando um papel bem importante nessas horas!Mas antes que você sinta como se tivéssemos jogado um balde de água fria nas suas ideias, é claro que algumas dicas e alguns elementos-chave ajudam muito a deixar seu conteúdo poderoso, engajando seu público:- Storytelling é tudo! Pense na história que você quer contar, quais elementos, como será o início, meio e fim, tudo pensando em cativar seu target. Já ouviu falar na “Jornada do Herói”? É uma técnica muito usada para criar um bom storytelling e já falamos dela aqui no blog. Clique aqui pra conferir.- O audiovisual é um elemento muito forte no digital hoje, por isso é bem importante considerar conteúdos em vídeo ou com imagens! Infográficos também funcionam bem, por serem visualmente explicativos e atrativos.- Se a ideia é escrever um texto de blog, pense num conteúdo extenso, com bastante detalhe, que informe algo por completo. Para não tornar a leitura cansativa, faça-o em formato de lista: “10 dicas para…” ou “5 motivos…” são bastante assertivos e geram curiosidade!- Co-criar com influenciadores também é uma ótima maneira de fazer Marketing Viral! Até porque as pessoas que entraram no processo de produção desse conteúdo vão divulgá-lo em suas redes, e já sabemos o quanto uma estratégia com influenciadores pode ser poderosa para uma marca.- Conhecer as estatísticas das suas redes para entender qual dia ou hora as pessoas mais acessam seu blog, ou interagem com os posts de social media fará com que você saiba qual timing é ideal para colocar o conteúdo no ar e garantir um bom volume de visualizações já nos primeiros minutos de publicação.E, acima de qualquer dica, vem o conselho master: não planeje para que seu conteúdo se torne um viral. Sim, isso mesmo! Infelizmente são muitos os fatores para que ele “quebre a internet” e forçar a barra fará com que se gere um efeito contrário e negativo. Só o seu público pode dizer se a peça é boa o suficiente para ser compartilhada muitas vezes. Logo, crie conteúdos interessantes sempre, independente do momento de marca. Quando menos se esperar, o sucesso bombástico virá, acredite!